O GRANDE DITADOR

O GRANDE DITADOR

(The Great Dictator)

1940 , 126 MIN.

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Charles Chaplin

    Equipe técnica

    Roteiro: Charles Chaplin

    Produção: Charles Chaplin

    Fotografia: Karl Struss, Roland Totheroh

    Trilha Sonora: Charles Chaplin, Meredith Wilson

    Estúdio: Charles Chaplin Productions

    Distribuidora: Warner Home Vídeo

    Elenco

    Charles Chaplin, Jack Oakie, Maurice Moscovich, Paulette Goddard, Reginald Gardiner

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O que pode ser dito do filme O Grande Ditador que já não tenha sido dito nos últimos 62 anos? Trata-se simplesmente de um dos filmes mais importantes da história do cinema. Para compreender melhor esta importância, é necessário assisti-lo não com olhos de hoje, mas sim com os olhos de 1940.

    Lá vai um pouquinho de história: quando Hitler invadiu a Polônia, em 1º de setembro de 1939, dando o pontapé inicial na Segunda Guerra Mundial, a Europa toda se indignou, já que havia um tratado de não agressão entre os nazistas e o país invadido. Traição pura. Como conseqüência, vários países alinhados com a filosofia democrática – França e Inglaterra, principalmente – entraram em guerra contra a Alemanha de Hitler e a Itália de Mussolini. Exatamente oito dias após a invasão, em 9 de setembro de 1939, o indignado e humanista Charles Chaplin começou a rodar as primeiras cenas de O Grande Ditador, em seus estúdios nos Estados Unidos. O grande problema, porém, é que os Estados Unidos, contrariamente à Europa, ainda não tinham declarado guerra contra a Alemanha, o que só viria a acontecer em dezembro de 1941, após o episódio de Pearl Harbor. Mas esta já é outra história... e outro filme também.

    Assim, quando O Grande Ditador estreou nos cinemas norte-americanos, em 15 de outubro de 1940, o mal estar foi geral: através de Charles Chaplin, os Estados Unidos faziam uma provocação aberta ridicularizando dois chefes de estado (Hitler e Mussolini) com os quais Washington ainda mantinha relações diplomáticas. Em última análise, foi Chaplin quem declarou guerra aos nazistas, um ano e dois meses antes de Pearl Harbor. Ele julgou e condenou Hitler e suas atrocidades antes mesmo da História o fazer. Tudo isso falando no campo político.

    Já no campo cinematográfico, O Grande Ditador é outra provocação. Chaplin ousou fazer um filme 99% mudo em 1940, ou seja, mais de uma década depois do cinema falado já estar solidamente consolidado. Para ele, o cinema era uma arte eminentemente visual, que não necessitava de diálogos para se explicar. Chaplin defendeu durante anos esta sua idéia e se recusou durante muito tempo a entrar na era do cinema falado. E quando abriu mão deste preciosismo estético, ele o fez justamente no antológico discurso final de O Grande Ditador. Um texto que todos os habitantes do mundo deveriam enviar por e-mail para um outro grande ditador da nossa época: George W. Bush.

    19 de dezembro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus