O JARDINEIRO FIEL

O JARDINEIRO FIEL

(The Constant Gardener)

2005 , 128 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Fernando Meirelles

    Equipe técnica

    Roteiro: Jeffrey Caine

    Produção: Simon Channing Williams

    Fotografia: César Charlone

    Trilha Sonora: Alberto Iglesias

    Estúdio: Focus Features, Potboiler Productions, Scion Films, UK Film Council

    Elenco

    Abdallah Juma, Ainea Ojiambo, Andre Leenheer, Ann Achan, Anne Mwikali, Anneke Kim Sarnau, Archie Panjabi, Ben Gardiner, Ben Parker, Benson Obiva, Bernard Otieno Oduor, Bill Nighy, Brigid M. Kakenyi, Chris Lightburn-Jones, Chris Payne, Christopher Okinda, Claire Simpson, Damaris Itenyo Agweyu, Dang Wuor Diew, Daniele Harford, Danny Huston, Donald Apiyo, Donald Sumpter, Edgar Nicholas Rhode, Elzabeth Karanja, Eric Mutua, Eva Plackner, Florence Chamba, Gerard McSorley, Hubert Koundé, Ibrahim Chitaya, Jacqueline Maribe, James Osoo, Jane Obada, Jeffrey Caine, Joe Christopher Rhode, John Keogh, John Moller, John Sibi-Okumu, Juliet Aubrey, Juma Musa, Katherine Damaris, Keith Pearson, Leonard Ongaya, Lucy Achieng, Lydia M. Manyasi, Mumbi Kaigwa, Ng'ang'a Kirumburu, Nick Reding, Nyajima Jial, Packson Ngugi, Pete Postlethwaite, Peter King Nzioki, Rachel Weisz, Ralph Fiennes, Richard McCabe, Rupert Simonian, Samuel Otage, Sele Mzamil, Sidede Onyulo, Steenie Njoroge, Stuart Wheeler, Suleiman Bakari, Teresa Harder, Thomas Chemnitz, Triza Musimbi

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Depois de marcar a história do cinema nacional com Cidade de Deus (2003), Fernando Meirelles tornou-se o único brasileiro a ser indicado ao Oscar de Melhor Diretor em 2004 e, agora, apresenta sua primeira produção estrangeira. Com orçamento de US$ 25 milhões - para se ter uma idéia, seu filme anterior custou mais ou menos US$ 3 milhões -, O Jardineiro Fiel é a leitura de Meirelles para livro homônimo de John Le Carré. Com a responsabilidade de dirigir um filme de impacto semelhante ao anterior, Meirelles faz bonito, conduzindo uma história forte da forma como merecia. Armado de bons atores e de uma história complexa, porém bem-resolvida, o diretor brasileiro criva mais forte ainda suas marcas no cinema contemporâneo com este filme.

    O jardineiro fiel do título é Justin (Ralph Fiennes), diplomata inglês cujo hobby é a jardinagem. Logo no começo do filme, sua mulher, Tessa (Rachel Weisz, ganhadora do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por sua brilhante performance nesta produção) é brutalmente assassinada nos confins de uma cidade queniana. Por meio de flashbacks, descobrimos a história entre Justin e Tessa. Ao mesmo tempo, o espectador acompanha o desenrolar da história no presente, quando Justin sai em busca da verdade sobre as atividades da esposa e os motivos que levaram ao seu assassinato em uma trama que envolve corrupção e interesses econômicos relacionados a grandes corporações farmacêuticas.

    A trama, bastante complexa, é bem resolvida por conta do roteiro e, principalmente, da montagem. A força da trama política e a crueza das cenas, especialmente relacionadas às mazelas africanas, são dosadas às cenas entre o casal de forma a dar certa leveza ao thriller político, sem deixar de tratar com gravidade o perigoso envolvimento entre as indústrias farmacêuticas e o governo inglês. Protagonistas de uma belíssima história de amor, Justin e Tessa têm personalidades opostas e é exatamente por isso que se entendem. Quando ela morre, o marido sai em uma jornada para descobrir a verdade que sua mulher procurava e, também, para entender quem ela era. Cheia de segredos, Tessa sempre foi um enigma para Justin. Quando entra em contato com esse mundo da esposa, passa a compreender seus atos.

    A fotografia, dirigida por César Charlone (parceiro de Meirelles em seus outros filmes também), dosa o quente e o gelado, criando esses pólos opostos que também estão presente na personalidade do casal. As cenas filmadas na África são repletas de cores quentes. Em contrapartida, a Europa de O Jardineiro Fiel é cinzenta e úmida. Exceto durante a intimidade de Tessa e Justin: a câmera invade a privacidade dos dois, abusa dos closes e das situações triviais, criando uma intimidade não somente entre o casal, mas também entre o espectador e seus personagens.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus