O MAR NÃO ESTÁ PRÁ PEIXE

O MAR NÃO ESTÁ PRÁ PEIXE

(Shark Bait)

2006 , 78 MIN.

anos

Gênero: Animação

Estréia: 19/01/2007

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Howard E. Baker, John Fox

    Equipe técnica

    Roteiro: Anurag Mehta, Chris Denk, Scott Clevenger, Timothy Wayne Peternel

    Produção: Ash R. Shah, Mark A. Z. Dippé, Young-ki Lee

    Trilha Sonora: Christopher Lennertz

    Elenco

    Andy Dick, Evan Rachel Wood, Fran Drescher, Grazi Massafera, John Rhys-Davies, na versão brasileira de: Felipe Dylon, Rob Schneider, Tom Cavalcante. Freddie Prinze Jr.

  • Crítica

    19/01/2007 00h00

    Agora tudo mundo quer "tirar a sua casquinha". Depois que a Pixar, a Disney, a Fox, a DreamWorks e outras empresas provaram que o mercado de desenhos animados de longa-metragem pode ser uma verdadeira mina de ouro, novas produtoras começam a se arriscar na área. É o caso da sul-coreana Digiart e da norte americana Wonderworld, estreantes em longas, que uniram seus esforços para realizar O Mar Não Está Prá Peixe, animação em computação gráfica que consegue um espaço no nosso circuito comercial por conta das férias escolares.

    O filme padece do principal problema de várias outras produções do gênero: a falta de um bom roteiro. A qualidade da animação propriamente dita chega até a ser satisfatória, embora a alguns anos-luz da líder Pixar, por exemplo, mas eventuais problemas gráficos e estéticos seriam facilmente compensados por uma boa história a ser contada. E esta tal boa história não existe. Tudo começa quando Pê, um filhote de peixe, perde seus pais (num início que lembra muito a perda da mãe de Nemo em Procurando Nemo) e é obrigado a viajar para um lugar mais seguro, um recife livre de predadores humanos. É lá que ele se apaixona pela bela Cordélia, que, por sua vez, é cortejada (ou, digamos, sexualmente assediada) pelo malvado turbarão Troy. A exemplo de David e Golias, Pê desafia Troy para uma batalha de vida e morte. E terá de usar a inteligência para se sobrepor à força do vilão.

    Talvez o desenho funcione para crianças menores, graças ao seu bom ritmo e às suas cores fortes e vibrantes. Para os mais exigentes, porém, falta humor, há um excesso de personagens de pouca ou nenhuma função na história (os botos, o primo e a tia de Pê, por exemplo, parecem perdidos na trama) e praticamente nenhuma novidade em relação as outros três desenhos animados recentes ambientados no fundo do mar: Procurando Nemo, Mamãe Virei um Peixe e O Espanta Tubarões. Os três bem superiores a este.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus