O MENINO DA PORTEIRA

O MENINO DA PORTEIRA

(O Menino da Porteira)

2009 ,

12 anos

Gênero: Aventura

Estréia: 06/03/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Jeremias Moreira

    Equipe técnica

    Roteiro: Carlos Nascimbeni, Jeremias Moreira Filho

    Produção: Moracy do Val

    Fotografia: Pedro Farkas

    Trilha Sonora: Nelson Ayres

    Estúdio: Jerê Filmes

    Elenco

    João Pedro Carvalho, José de Abreu, Rosi Campos, Vanessa Giácomo

  • Crítica

    06/03/2009 00h00

    Poucas são as refilmagens que justificam retomar o mesmo tema e, melhor, superam a versão original. Um desses exemplos é O Menino da Porteira, remake do longa produzido em 1976 e baseado na canção sertaneja homônima, cujo intérprete mais ilustre, Sérgio Reis, angariou fãs após gravá-la.

    O sertanejo ocupa um importante espaço na composição da cultura brasileira. Especialmente a figura do caipira, que nos anos 50 recebeu um retrato peculiar de Mazzaropi, cujos filmes formavam filas imensas nas entradas dos cinemas de rua. O universo rural exerce o fascínio do exótico para quem o desconhece e a capacidade de identificação para quem é familiar com as paisagens e costumes.

    O Menino da Porteira trabalha ora em um registro, ora em outro. Quem conhece os pastos "desse Brasilzão", como os tocadores de moda de viola definem nossos 8,5 milhões de km², vai encontrar um retrato justo ao universo das fazendas, boiadas, mandas-chuva, bolos de fubás, extensos campos verdes.

    Aos "estrangeiros", o filme guarda um enredo repleto de subtramas, conflitos, paixões, rancor, opressão e sequências de western à John Ford. O peão Diogo (Daniel) é incumbido de levar uma boiada até a fazenda Ouro Fino, do temido Major Batista (José de Abreu). Os pequenos proprietários que o circundam vêem na chegada do independente peão a chance de vender os bois sem passar pela intermediação do Major. A decisão faz com que boiadeiro e o dono do pedaço batam de frente, levando a desdobramentos que afetam diretamente o tal menino da porteira do título, o Rodrigo (João Pedro Carvalho).

    Ou seja, basicamente o que está dito na canção, escrita por Teddy Vieira. O argumento do filme bebe dela, mas o desdobramento da história vai além. O Major é o exemplo do Despótico, uma transposição à sertaneja de O Príncipe, de Maquiavel, cercando-se de capachos que agem como seu braço rígido. Diogo, o narrador da canção, é o herói do filme, que age na perspectiva individual: pisou no calo dos meus amigos, eu reajo. Uma revolta conservadora e limitada, diga-se de passagem.

    No remake, os coadjuvantes ganham um espaço justo e o diretor Jeremias Moreira, felizmente, não cai na opção barata de explorar o carisma e a imagem do cantor Daniel, interpretando o primeiro protagonista de sua vida. Juliana (Vanessa Giácomo), a enteada do Major que não o respeita, flerta com o peão; João Só (Valter Santos), um capataz com resquícios de humanidade, determina os desdobramentos da trama; o farmacêutico Dr. Almeida (Zedu Neves) é o intelectual, enquanto Eucir de Souza tem a força junto aos sitiantes. Zé Coqueiro (Antonio Edson) e Filoca (Rosi Campos) dão a pitada de humor inocente para relaxar.

    Gostando ou não de Daniel, o cantor - e agora protótipo de ator - passa veracidade na sua interpretação e versatilidade na performance das canções sertanejas, da guarânia Índia à toada Disparada. Méritos também para os cuidados do maestro Nelson Ayres, que capricha na trilha incidental. Outro elemento requintado é a montagem, assinada por Manga Campion, que segue à risca o melhor estilo Grifith (a audácia da simultaneidade de Intolerância e não a caretice de Lírio Partido), dando ação e ritmo ao filme.

    Habilmente, O Menino da Porteira salta da descrição de paisagens (longos planos dos bois e pastagens), vai para o musical (interpretações de músicas de raiz incorporadas suavemente na trama), dialoga com o romance (o mocinho e a mocinha) e desemboca em um faroeste (cenas de bang bang interessantíssimas). Um flerte com diversos gêneros que desenha um peão que fica mais interessante ainda quando se torna um caubói.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus