O MUNDO DE JACK E ROSE

O MUNDO DE JACK E ROSE

(The Ballad Of Jack and Rose)

2005 ,

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Rebecca Miller

    Equipe técnica

    Roteiro: Rebecca Miller

    Produção: Lemore Syvan

    Fotografia: Ellen Kuras

    Trilha Sonora: Michael Rohatyn

    Estúdio: IFC Productions

    Elenco

    Anna Mae Clinton, Beau Bridges, Camilla Belle, Catherine Keener, Daniel Day-Lewis, Jason Lee, Jena Malone, Paul Dano, Ryan McDonald, Susanna Thompson

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O Mundo de Jack e Rose é como uma balada de Bob Dylan - que está presente na trilha deste filme -: triste e agridoce, tem um encantamento inexplicável. Assim como as baladas de Dylan - cantadas numa rouquidão que não chega a ser desagradável, mas é incomum -, este filme dirigido por Rebecca Miller (O Tempo de Cada Um) é ao mesmo tempo belo e incômodo.

    Assim como as canções de Dylan, que nos remetem aos anos 60, os protagonistas de O Mundo de Jack e Rose são como um último grito do estilo de vida dessa época. Jack (Daniel Day-Lewis) vive numa ilha deserta com sua filha Rose (Camilla Belle), de 16 anos. Ele a protegeu das influências exteriores do mundo desde pequena, mas agora a jovem o bombardeia com perguntas sobre o seu futuro. Ao mesmo tempo em que a curiosidade invade a mente da menina, os dois presenciam a criação de um condomínio fechado na ilha. A invasão de fatores externos na vida hermeticamente fechada dos dois protagonistas é completada com a mudança de Kathleen (Catherine Keener) à casa da família. A amante de longa data de Jack traz seus dois filhos, Rodney (Ryan McDonald) e Thaddius (Paul Dano), para morar com eles. Com a chegada desses elementos do mundo exterior à ilha, a menina começa a revelar traços de sua personalidade que pareciam estar escondidos. Ao mesmo tempo em que fica curiosa em relação ao sexo oposto, Rose vê sua sexualidade vir à tona com a presença dos dois rapazes na casa, assim como o sentimento de possessão em relação ao pai.

    A direção de Rebecca Miller, mulher de Day-Lewis na vida real, é acertada. O ritmo do filme, que começa lento, como a vida dos protagonistas, acelera ao longo dos acontecimentos, culminando num final, no mínimo, inesperado. Vale destacar, ainda, a performance dos protagonistas. Não é novidade dizer que Day-Lewis apresenta um ótimo trabalho. Afinal, trata-se de um dos melhores atores de sua geração, o que ele prova a cada filme. Vale, também, destacar que Camilla Belle não deixa a peteca cair na responsabilidade de co-protagonizar um filme ao lado de Day-Lewis, tornando-se uma promessa. A trilha sonora também é muito bem escolhida e, além do supracitado Bob Dylan, também inclui faixa de Nina Simone.

    O Mundo de Jack e Rose é um filme simples, despretensioso e belíssimo. No entanto, tem quase tudo para passar despercebido nos cinemas por entrar em cartaz na mesma semana que uma superprodução. Mas, não se engane, caro leitor: este filme também merece ser visto.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus