O PREÇO DA TRAIÇÃO

O PREÇO DA TRAIÇÃO

(Chloe)

2009 , 99 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia: 14/05/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Atom Egoyan

    Equipe técnica

    Roteiro: Erin Cressida Wilson

    Produção: Daniel Dubiecki, Jason Reitman, Tom Pollock

    Fotografia: Paul Sarossy

    Trilha Sonora: Mychael Danna

    Estúdio: StudioCanal, The Montecito Picture Company

    Distribuidora: PlayArte

    Elenco

    Amanda Seyfried, Arlene Duncan, Julianne Moore, Julie Khaner, Kathy Maloney, Laura DeCarteret, Liam Neeson, Max Thieriot, Meghan Heffern, Mishu Vellani, Natalie Lisinska, Nina Dobrev, R.H. Thomson, Rosalba Martinni, Tiffany Lyndall-Knight

  • Crítica

    06/05/2010 11h29

    David é um cinquentão inteligente, simpático e galanteador. Charmoso o suficiente para acender na sua esposa Catherine o terrível e devastador alerta do ciúme. Insegura em relação à fidelidade do marido, ela contrata os serviços da bela prostituta Chloe, que terá como missão testar a fidelidade de David.

    Se você, literalmente, acha que já viu este filme antes, não estranhe. Chloe é refilmagem da produção francesa Nathalie X, que Anne Fontaine co-escreveu e dirigiu em 2003. Nesta nova versão, saem Fanny Ardant, Gérard Depardieu e Emmanuell Béart, e entram, respectivamente, Julianne Moore, Liam Neeson e Amanda Seyfried (de Meninas Malvadas e Garota Infernal).

    Agora o roteiro é de Erin Cressida Wilson, também roteirista de Secretária (2002), mas os maiores méritos do filme não estão exatamente no roteiro, mas sim na direção sempre segura e elegante de Atom Egoyan.

    Egípcio, de origem armênia, e radicado no Canadá, Egoyan é figurinha carimbada no circuito artístico, já tendo assinado os tristes e emocionantes O Doce Amanhã e O Fio da Inocência, entre outros. O Preço da Traição é um trabalho mais palatável do cineasta, mais sintonizado com questões de mercado (mesmo porque os EUA estão entre os seus produtores, ao lado de França e Canadá), mas nem por isso de qualidade inferior.

    Ainda que dentro de um registro estético bastante hollywoodiano – com locações suntuosas, iluminação majestosa, trilha sonora onipresente e direção de arte hiperbólica – O Preço da Traição consegue exibir a marca de Egoyan, onde prevalecem a reflexão, a introspecção, os poucos e elegantes movimentos de câmera, e principalmente a forma sem pressa de contar a história.

    Dirigido com dignidade, o filme prefere não se ater apenas à rasa questão da traição ou da não traição. Evitando o moralismo, ele vai além e esmiúça com talento as dúvidas da protagonista, o medo do envelhecimento, a necessidade de ser aceita, e suas inseguranças humanas e sexuais, não apenas como esposa, mas também como amante e mãe. E com um detalhe: a personagem em questão é ginecologista, ou seja, teoricamente uma especialista nos corpos das mulheres. Mas que talvez necessite percorrer um longo caminho para entender a alma feminina, se é que ela é entendível.
    Ou seja, um personagem rico, verdadeiro arcabouço emocional sustentado com total eficiência por mais uma interpretação brilhante de Julianne Moore.

    Ah, quando falarem sobre as cenas “polêmicas” de O Preço da Traição, não dê ouvidos.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus