Poster do filme O Quarto do meu filho

O QUARTO DO FILHO

(La Stanza del Figlio)

2001 , 87 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Nanni Moretti

    Equipe técnica

    Roteiro: Heidrun Schleef, Nanni Moretti

    Produção: Angelo Barbagallo, Nanni Moretti

    Fotografia: Giancarlo Basili

    Trilha Sonora: Nicola Piovani

    Elenco

    Alessandro Infusini, Andrea Silvio Orlando, Claudia Della Seta, Dario Cantarelli, Eleonora Danco, Giuseppe Sanfelice, Jasmine Trinca, Laura Morante, Luisa De Santis, Nanni Moretti, Renato Scarpa, Sofia Vigliar, Stefano Abbati, Stefano Accorsi, Toni Bertorelli

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Muitos filmes europeus trafegam na contra-mão dos grandes blockbusters hollywoodianos. São produções simples, sem efeitos especiais, sem músicas grandiloqüentes, sem corre-corre nem astros famosos. Muito menos os típicos finais esquizofrênicos popularizados pelas aventuras norte-americanas. Filmes como estes costumam mostrar nas telas verdadeiras fatias da vida real. São narrativas cruas, sem retoques, sem a procura do grande momento cinematográfico e, por isso mesmo, muito emocionantes.

    O Quarto do Filho é uma destas fatias da vida. Sua sinopse cabe numa única linha: a dor de uma família de classe média após a perda de um filho. E ponto. Ponto final na sinopse, ponto inicial num turbilhão de emoções verdadeiras. O roteirista, diretor e ator Nanni Moretti cria a ambientação de uma família comum, igual a tantas outras, que vive normalmente num lugar normal. Ninguém é detetive, policial ou agente secreto. Nenhuma casa é especialmente maravilhosa, nenhum carro é de tirar o fôlego. O recado de Moretti parece claro: “Esta família poderia ser a sua”. Conseqüentemente, esta dor também.

    Por isso, é quase impossível não sentir um nó na garganta, um soluço engasgado ou mesmo algumas lágrimas escorrendo pelo rosto quando o casal formado por Giovanni (Moretti) e Paola (Laura Morante) recebe a notícia quase inacreditável da morte de seu filho adolescente. Uma perda que desencadeia sentimentos de culpa, de desperdício, de tristeza, de incredulidade, de rompimento. Todos vividos e sentidos com uma dignidade cruel, sem os rompantes de desespero que nos acostumamos a atribuir à exagerada alma italiana.

    Pelo seu estilo sóbrio e pela profundidade das suas emoções, O Quarto do Filho mereceu várias e importantes premiações internacionais. Entre elas, a cobiçada Palma de Ouro no Festival de Cannes e nada menos que doze indicações ao prêmio David di Donatello, o Oscar italiano.

    Veja e leve lenços.

    14 de fevereiro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus