O REI ESTÁ VIVO

O REI ESTÁ VIVO

(The King is Alive)

2000 , 109 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Kristian Levring

    Equipe técnica

    Roteiro: Kristian Levring

    Produção: Patricia Kruijer, Vibeke Windelov

    Fotografia: Jens Schlosser

    Elenco

    Brion James, Bruce Davison, David Bradley, David Calder, Miles Anderson, Romane Bohringer, Vusi Kunene

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Pronto! O Dogma finalmente ganhou o mundo. O Manifesto Dogma 95, a maior jogada de marketing cinematográfico dos últimos anos, tem agora um representante americanizado: trata-se do filme O Rei Está Vivo, uma co-produção Suécia / Dinamarca / EUA falada em inglês e estrelada por alguns atores da Terra do Tio Sam. Agora, com o aliado ianque, esta grande arapuca de marketing está completa.

    A história mostra um grupo de onze pessoas perdidas em pleno deserto, junto a uma vila abandonada. Não há o que fazer. Parece impossível que algum resgate apareça por ali. A água e a comida estão acabando. Enquanto o pânico não vem, o grupo começa a ensaiar a peça Rei Lear, de Shakespeare, para passar o tempo e manter as mentes ocupadas. Porém, o desespero da situação vai fazer aflorar conflitos antes sufocados, libertando tensões que estavam reprimidas. De longe, um nativo observa a tudo, calado.

    Depois de Festa de Família, Os Idiotas e Mifune, este é o quarto filme produzido dentro dos padrões do Manifesto Dogma 95, uma idéia de jerico criada por um grupo de cineastas dinamarqueses, e que de repente a mídia global engoliu. O tal manifesto prega que o filme deve ser o mais "cru" possível, sem inserção de trilha sonora, com a câmera na mão, sem luz artificial, nenhum tipo de efeito visual, enfim... algo muito parecido com o que Glauber Rocha fazia já há 40 anos...

    Mas, sem querer discutir o Dogma propriamente dito, vamos ao filme: quando bem exploradas, situações limite são sempre bem-vindas numa boa história de cinema. Esta é a proposta de O Rei Está Vivo. Ao expor onze pessoas no calor do deserto, praticamente sem esperanças, e ainda tomando contato com um texto de Shakespeare, o roteiro abre as portas para a libertação dos demônios escondidos dentro de cada um. Eliminando-se todo e qualquer traço de civilização, sobra o ser humano cru, exposto, e acima de tudo frágil.

    Formalmente, o filme acompanha o mesmo caminho árido proposto pelo roteiro. Gravado em câmeras de vídeo digital e posteriormente transposto para 35 mm, O Rei Está Vivo abre mão de qualquer apuro técnico. Usa um tom semi-documental, câmera na mão, luz dura, e consegue assim passar para a platéia toda a inquietação e desconforto do grupo perdido no deserto.
    Sem dúvida, uma experiência cinematográfica para poucos.

    O Rei está Vivo é o segundo filme para cinema do diretor dinamarquês Kristian Levring. O elenco multinacional inclui Miles Anderson (Um Grito de Liberdade), David Calder (007 - O Mundo Não é o Bastante), Bruce Davison (O Aprendiz, As Bruxas de Salem), Brion James (O Quinto Elemento), e Jennifer Jason Leigh (Mulher Solteira Procura) entre outros.


    01 de novembro de 2000
    --------------------------------------------------
    Celso Sabadin é jornalista especializado em cinema desde 1980. Atualmente é crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão e do Canal 21. Às sextas-feiras é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus