O REINO

O REINO

(The Kingdom)

2007 , 110 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia: 23/11/2007

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Peter Berg

    Equipe técnica

    Roteiro: Matthew Michael Carnahan

    Produção: Michael Mann, Peter Berg, Scott Stuber

    Fotografia: Mauro Fiore

    Trilha Sonora: Danny Elfman

    Estúdio: Relativity Media, Universal Pictures

    Elenco

    Andrew Esposito, Chris Cooper, Jamie Foxx, Jason Bateman, Jennifer Garner

  • Crítica

    23/11/2007 00h00

    John Lennon dizia que "o sonho não acabou". A julgar pelo filme O Reino, o cinema norte-americano parece preferir outro recado: "O ódio não acabou". O que poderia justificar um investimento estimado em US$ 80 milhões numa produção tão violenta e racista como esta, a não ser o ódio exacerbado que parte da população norte-americana ainda nutre pelo povo árabe? E mais: como é possível que o roteirista Matthew Michael Carnaghan, o mesmo do excelente e pacifista Leões e Cordeiros, possa ter escrito um roteiro tão rancoroso como o de O Reino? Talvez a direção de Peter Berg (do truculento Bem-Vindo à Selva) tenha alterado a idéia inicial de Carnaghan ou talvez a principal empresa produtora do filme, a Universal Pictures, tenha pressionado para que O Reino passasse uma mensagem belicista. Afinal, a Universal é uma empresa que faz parte da General Electric (GE), grupo empresarial que, entre outras atividades, fabrica turbinas de motores para aviões de guerra.

    Teorias da conspiração à parte, o fato é que O Reino é um filme do mal. Ele começa com um clipe muito rápido que conta de forma superficial um pouco da história da Arábia Saudita após 1932, ano em que foi perfurado o primeiro poço de petróleo naquele país. As legendas brancas sobre o fundo branco prejudicam ainda mais o entendimento desta introdução. Passados estes créditos iniciais, a ação é transferida para os dias de hoje, quando um violentíssimo ataque terrorista (que inclui uma explosão falsamente digital) mata uma centena de "não-islâmicos" sediados em território árabe. Rapidamente, os EUA montam uma equipe de investigação comandada pelo agente especial do FBI Ronald Fleury (Jamie Foxx, de Ray). A partir daí, o que se vê é a repetição dos velhos e batidos clichês que colocam os EUA como os salvadores do mundo livre, tendo, conseqüentemente, poderes ilimitados para subjulgar toda e qualquer cultura e para ridicularizar toda e qualquer crença em nome desta "cruzada" em prol da liberdade.

    A turma de Fleury desembarca na Arábia sem permissão, desrespeita as leis locais e passa a fazer parte da equipe de investigações do governo saudita que, no filme, é pintada como uma cambada de incompetentes. Tudo para desembocar num final extremamente violento, repleto de ódio e intolerância contra todos aqueles que se oponham à nobre missão americana de salvar o mundo. Só faltou no final do filme algum letreiro pedindo para que os eleitores de Bush apóiem a liberação de mais verbas federais para sustentar a Guerra do Iraque.

    A boa notícia é que parece haver ainda alguma luz no fim do cano do canhão: O Reino foi um fracasso nas bilheterias dos EUA, onde arrecadou somente um pouco mais da metade dos seus custos. Talvez por ali também as pessoas não agüentem mais tanta mentira.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus