O SOBREVIVENTE (2001)

O SOBREVIVENTE (2001)

(Series 7: The Contenders)

2001 , 86 MIN.

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Daniel Minahan

    Equipe técnica

    Roteiro: Daniel Minahan

    Produção: Christine Vachon, Jason Kliot, Joana Vicente, Katie Roumel

    Fotografia: Randy Drummond

    Trilha Sonora: Alexis Flesig, Eli Janney, Johnny Temple, Scott McCloud

    Estúdio: October Films, Open City Films

    Elenco

    Brooke Smith, Glenn Fitzgerald, Marylouise Burke, Merritt Wever, Michael Kaycheck, Richard Venture

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Os chamados "reality shows" estão mais do que na moda na televisão brasileira. Exatamente na semana em que o tosco Casa do Artistas bateu seu recorde de audiência, chegando à incrível marca de 50 pontos no Ibope, a Pandora Filmes oportunamente lança em nossos cinemas o filme O Sobrevivente, uma sátira cruel a programas de TV deste estilo.

    Estreando no longa-metragem, o roteirista e diretor Daniel Minahan (autor também do roteiro de Um Tiro Para Andy Warhol) propõe em seu filme uma versão violenta e radical de "No Limite". Seis pessoas de uma mesma cidade são sorteadas para participar do show. Os escolhidos não podem recusar. A cada um deles é oferecida uma pistola e as regras são muito simples: ganha quem chegar vivo ao final do programa. Todo tipo de traição e jogo sujo é permitido. Cada um dos competidores terá ao seu lado um cameraman mostrando todos os seus movimentos, 24 horas por dia. A partir daí, é cada um por si, numa espécie de mistura entre O Show de Truman e Cidade Alerta.

    Não confunda com outro filme de mesmo nome e tema parecido, estrelado por Arnold Schwarzenegger em 1987. O trabalho de Minahan é muito mais cru e violento. Com cinismo e humor negro, o diretor imagina cenas que se por um lado parecem totalmente absurdas, por outro dão a impressão que poderão acontecer num futuro muito próximo, já que vivemos numa realidade em que a mídia é a mais poderosa de todas as forças. Afinal, um mundo que já transmitiu ao vivo guerras, massacres e atentados terroristas poderia muito bem "se divertir" com um game-show em que morre "apenas" um punhado de pessoas.

    As situações são bem construídas. Uma das competidoras, armada, é proibida por seguranças de entrar num shopping center, mas imediatamente liberada ao mostrar sua credencial de participante do famoso programa de TV. Outra participante, campeã de semanas anteriores, ganha status de celebridade e dá autógrafos por ser uma assassina impiedosa. Um terceiro competidor, doente terminal, cogita o suicídio, mas a saída não é possível porque as regras do programa não permitem. E assim sucessivamente, num delírio metade surreal, metade realista ao extremo. É a ditadura dos famosos levada às últimas e trágicas conseqüências.

    O Sobrevivente se sai bem ao buscar um difícil equilíbrio na corda bamba que divide o trágico do cômico. Produzido com pouca verba e sem astros famosos, o filme chega numa hora bastante propícia e acerta ao questionar, por meio do exagero, o índice de banalização da violência e da exploração fácil da fama que domina a mídia mundial. Merece ser conferido.

    26 de novembro de 2001
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus