O SONHO DE ROSE, 10 ANOS DEPOIS

O SONHO DE ROSE, 10 ANOS DEPOIS

(O Sonho de Rose, 10 Anos Depois)

2000 , 92 MIN.

anos

Gênero: Documentário

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Tetê Moraes

    Equipe técnica

    Roteiro: Paulo Halm, Tetê Vasconcellos

    Produção: Tetê Moraes

    Fotografia: Cezar Moraes

    Trilha Sonora: Chico Buarque de Hollanda, Luiz Cláudio Ramos

    Estúdio: VEMVER Brasil

    Elenco

    Lucélia Santos

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Dirigido por Tetê Moraes, O Sonho de Rose – Dez Anos Depois é uma seqüência de Terra Para Rose, que a mesma cineasta realizou em 1985. Naquela ocasião, Tetê registrou com sua câmera a instalação, no interior do Rio Grande do Sul, daquele que foi o primeiro grande acampamento do Movimento Sem-Terra no País. Na época, a cineasta centralizou seu filme na figura de Rose, uma das principais líderes do movimento, que três anos depois foi morta atropelada por um caminhão, numa tragédia até hoje não esclarecida.

    Em 1996, Tetê Moraes retornou ao local do acampamento para verificar as condições de vida dos assentados e fazer este segundo filme, que ficou pronto no ano passado e só agora chega aos cinemas paulistas.

    O Sonho de Rose - Dez Anos Depois traz depoimentos emocionados e emocionantes do viúvo e dos três filhos de Rose. É simplesmente impossível não se emocionar. As lutas do MST, suas vitórias e incoerências internas, os dramas humanos dos assentados, tudo isso está vivo e claro neste belo documentário.

    O roteiro é de Paulo Halm, o mesmo roteirista de Amores Possíveis. A narração é de Lucélia Santos, com música de Chico Buarque.

    Quem quer conhecer um pouco mais deste gigante quebra-cabeça chamado Brasil não deve perder.

    4 de agosto de 2001
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Televisão, Canal 21, Band News e Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus