O TURISTA

O TURISTA

(The Tourist)

2011 , 122 MIN.

12 anos

Gênero: Suspense

Estréia: 21/01/2011

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Florian Henckel von Donnersmarck

    Equipe técnica

    Roteiro: Christopher McQuarrie, Jeffrey Nachmanoff, Julian Fellowes

    Produção: Gary Barber, Graham King, Jonathan Glickman, Roger Birnbaum, Tim Headington

    Fotografia: John Seale

    Trilha Sonora: James Newton Howard

    Estúdio: Birnbaum/Barber, GK Films, Spyglass Entertainment, StudioCanal

    Distribuidora: Sony Pictures

    Elenco

    Alec Utgoff, Alessio Boni, Angelina Jolie, Bruno Bilotta, Bruno Wolkowitch, Christian De Sica, Clément Sibony, Daniele Pecci, François Vincentelli, Gabriele Gallinari, Giancarlo Previati, Giovanni Esposito, Giovanni Guidelli, Gwilym Lee, Iddo Goldberg, Igor Jijikine, Jean-Claude Adelin, Jean-Marie Lamour, Johnny Depp, Julien Baumgartner, Marc Ruchmann, Marino Narduzzi, Mark Zak, Maurizio Casagrande, Mhamed Arezki, Neri Marcorè, Nicolas Guillot, Nino Frassica, Paul Bettany, Ralf Moeller, Raoul Bova, Renato Scarpa, Riccardo De Torrebruna, Rufus Sewell, Steven Berkoff, Steven Robertson, Timothy Dalton, Tino Giada, Vladimir Orlov, Vladimir Tevlovski

  • Crítica

    18/01/2011 18h00

    As provocações de Ricky Gervais na previsível cerimônia do Globo de Ouro foram certamente o mais interessante do sonolento evento. Porém, discordo da acidez do humorista britânico contra O Turista, charmoso suspense que marca a estreia do vencedor do Oscar de Filme Estrangeiro - Florian Henckel von Donnersmarck, por A Vida dos Outros - na indústria norte-americana.

    Gervais tem razão no exagero da indicação de O Turista e nos virulentos comentários em relação aos personagens, que não têm muita profundidade. Mas o filme transpira um certo charme comum às produções europeias medianas. Não por acaso, trata-se de uma refilmagem do francês Anthonny Zimmer – A Caçada, para a qual se escolheu exatamente um cineasta europeu para trazer elegância à aventura de um casal.

    Von Donnersmarck sabe filmar com sedução e usa sua habilidade para exaltar toda a sensualidade de Angelina Jolie. Entre as atrizes contemporâneas, ela é uma das poucas que conseguem manter o fascínio das estrelas inalcançáveis da Hollywood dos anos 1930 e 40. Uma mulher/personagem intocável que cai de paraquedas na vida do monótono professor de matemática Frank (Johnny Depp).

    Literalmente, Frank é um gaiato que entra num navio, quer dizer, numa lancha nas lindas (e fedorentas) águas de Veneza e começa a ser caçado por uns gângsteres russos. Motivo: foi confundido com Alexander Pearce, desaparecido por ter roubado os bandidos que agora o querem capturar.

    O diretor nos dá dois pontos de vista para acompanhar o filme. O primeiro é o onisciente, a par da real natureza de cada personagem. O segundo, de Frank, que olha para Elise (Jolie) como se mirasse uma musa perfeita.

    Nesses momentos, O Turista atinge seus momentos mais sedutores. A direção encara Jolie como uma diva que esconde sua identidade por trás de roupas luxuosas, maquiagens e joias, enquanto a câmera fica a observar sua sensualidade latente.

    Apaixonado por essa femme fatale está Depp numa eficiente caracterização de um professor do Wisconsin. O texto do filme é generoso com Depp ao lhe entregar um personagem um tanto caipira que acha que o idioma falado na Itália é o... espanhol!

    À exceção do carinho que o filme dá às suas duas estrelas, O Turista é um filme correto, com medida aceitável entre suspense, romance e aventura. Um entretenimento redondinho que não ofende a ninguém (a não ser Ricky Gervais), mas não é forte o suficiente para marcar um espectador.

    Espero que Von Donnersmarck tenha considerado o período profissional no cinema americano como férias e volte a dirigir histórias que, além de bem realizadas, tenham alguma profundidade, porque O Turista não tem: é pura diversão.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus