O ÚLTIMO BEIJO

O ÚLTIMO BEIJO

(L'Ultimo Bacio)

2001 , 115 MIN.

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Gabriele Muccino

    Equipe técnica

    Roteiro: Domenico Procacci

    Produção: Gabriele Muccino

    Fotografia: Marcello Montarsi

    Trilha Sonora: Paolo Buonvino

    Estúdio: Fandango

    Elenco

    Giorgio Pasotti, Giovanna Mezzogiorno, Marco Cocci, Pierfrancesco Favino, Regina Orioli, Sabrina Impacciatore, Stefania Sandrelli, Stefano Accorsi

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    As vidas e os destinos de oito personagens urbanos de classe média se cruzam na romântica Itália. A adolescente Francesca (Martina Stella) se apaixona por Carlo (Stefano Accorsi, de Amor Quase Perfeito que, assim como seus amigos Adriano (Giorgio Pasotti), Paolo (Claudio Santamaria), Alberto (Marco Cocci) e Marco (Pierfrancesco Favino) está na casa dos 30 anos. Porém, Carlo está de casamento marcado com Giulia (Giovanna Mezzogiorno). Ao mesmo tempo em que Anna (a veterana Stefania Sandrelli, de mais de uma centena de filmes), mãe de Giulia, vive de perto o terror do envelhecimento e da solidão.

    O filme se propõe a montar um painel dos medos e das inseguranças de todos, tenham os personagens 18, 30 ou 50 anos de idade. O trintão Carlo, apesar de aparentemente ter tudo o que deseja, na verdade é um poço de incertezas, principalmente em relação ao seu casamento. A insegurança de Carlo contagia a noiva Giulia, sua namorada desde a infância. Paolo foi abandonado pela namorada e tenta convencer seus amigos Adriano e Alberto que a solução para os problemas é botar o pé na estrada e viajar para longe. E assim sucessivamente a instabilidade das relações afetivas gera uma espécie de efeito dominó entre todos os envolvidos. No fundo, todos querem apenas uma coisa: sentir-se vivos.

    Misturando drama e comédia, O Último Beijo tem uma linha narrativa que se assemelha às nossas conhecidas telenovelas e talvez, por isso mesmo, tenha conseguido cair no gosto popular. Bem recebido na Itália, ele foi indicado a dez prêmios David di Donatello (o Oscar local), ganhando cinco, e chegou a faturar mais um milhão de dólares no mercado norte-americano (nada mau para um povo que não lê legendas). Simpático, nada mais.

    23 de janeiro de 2003
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus