O VISITANTE

O VISITANTE

(The Visitor)

2007 , 104 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia: 13/03/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Thomas McCarthy

    Equipe técnica

    Roteiro: Thomas McCarthy

    Produção: Michael London

    Trilha Sonora: Jan A. P. Kaczmarek

    Elenco

    Danai Gurira, Danai Jekessai Gurira, Haaz Sleiman, Hiam Abbas, Richard Jenkins

  • Crítica

    13/03/2009 00h00

    O Visitante é uma pequena produção independente norte-americana lançada por lá em 2007. Dois anos depois, ela chega em circuito brasileiro graças à indicação que Richard Jenkins conseguiu ao Oscar de Melhor Ator. Um claro exemplo de como os prêmios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, no fim das contas, podem trazer boas coisas ao espectador, uma vez que se trata de um pequeno, porém valiosíssimo drama que, se não tivesse esta nomeação, nunca chegaria às salas brasileiras, mesmo que em lançamento restrito.

    Dirigido e escrito por Thomas McCarthy, ator que havia conduzido anteriormente a direção do excelente O Agente da Estação (2003), O Visitante gira em torno do professor Walter Vale (Jenkins). Vivendo sozinho em Connecticut depois da morte da esposa e a mudança do único filho a Londres, ele parece não ter mais vontade de se esforçar. Dá sempre as mesmas aulas e não liga para seus alunos, sendo sempre distante em suas relações. Quando o diretor da faculdade onde dá aulas pede para que ele represente um trabalho que assina a co-autoria numa conferência em Nova York, Vale reluta. Embora não tenha grandes compromissos, não sente vontade alguma para viajar, mas a questão é inadiável. Chegando em seu apartamento quase abandonado na Big Apple, ele descobre que o imóvel estava ilegalmente alugado para um jovem casal de estrangeiros, a senegalesa Zainab (Danai Gurira) e o sírio Tarek (Haaz Sleiman). Aos poucos, o personagem acaba se abrindo ao casal, numa relação permeada pela música e pela afetividade que cresce com a convivência. Principalmente quando Tarek é preso e pode ser deportado, situação que coloca o protagonista em contato com a mãe do rapaz, Mouna (Hiam Abbass, de Lemon Tree).

    No início, O Visitante parece levar o espectador somente ao fechamento afetivo experimentado pelo protagonista, sendo este o tema principal do drama. Aos poucos, no entanto, o filme conduz o público a acompanhar os dramas relacionados à situação dos imigrantes que vivem nos EUA de forma ilegal que, após os atentados em Nova York de 11 de setembro de 2001, passaram a ser perseguidos ferozmente pelo governo norte-americano, dificultando cada vez mais sua moradia legal no país. "A gente acaba achando que é daqui", resume Mouna em dado momento do filme, sintetizando esse sentimento dos personagens estrangeiros do longa. O descaso no tratamento desses imigrantes, bem como sua presença maciça numa cidade como Nova York, são elementos que permeiam a trama de O Visitante, que aborda ambas as questões de uma forma sensível e contundente, passando longe da abordagem panfletária que o tema poderia conduzir.

    A globalização está presente a todo momento: nos estudos de Vale, que viaja a Nova York a fim de participar de um simpósio sobre a economia globalizada em países em desenvolvimento; nas várias línguas faladas pelos personagens; nos músicos que tocam instrumentos de diversas nacionalidades nas ruas e metrôs em Nova York; na própria trilha sonora que acompanha o filme, desde o afrobeat do multi-instrumentista nigeriano Felá Kuti até a bossa nova da cantora mineira Glaucia Nasser, cuja versão de Lábios de Cetim toca ao fundo em dado momento do drama.

    O roteiro de O Visitante aborda dois temas distintos, mas que acabam se complementando de uma maneira bastante eficaz. Com atuações sensíveis, não somente de Jenkins - capaz de delinear perfeitamente a mudança de comportamento experimentada por seu personagem ao longo da trama -, mas também dos outros atores, o drama é ao mesmo tempo contundente, forte e emocionante nos temas que pretende abordar. Um filme de produção independente que vale bem mais do que muitos blockbusters milionários que chegam às nossas telas.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus