OS ACOMPANHANTES

OS ACOMPANHANTES

(The Extra Man)

2010 , 108 MIN.

12 anos

Gênero: Comédia

Estréia: 22/06/2012

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Robert Pulcini, Shari Springer Berman

    Equipe técnica

    Roteiro: Jonathan Ames, Robert Pulcini

    Produção: Anthony Bregman, Stephanie Davis

    Fotografia: Terry Stacey

    Estúdio: 3 Arts Entertainment, Likely Story, Tax Credit Finance, Wild Bunch

    Distribuidora: Vinny Filmes

    Elenco

    Alex Burns, Alicia Goranson, Cathy Moriarty, Celia Weston, David Boston, Jason Butler Harner, John C. Reilly, Justis Bolding, Katie Holmes, Kevin Kline, Marian Seldes, Patti D'Arbanville, Paul Dano, Rafael Sardina

  • Crítica

    20/06/2012 16h00

    Há algo de sedutor na improvável amizade que Os Acompanhantes constrói. Um tipo de charme antiquado, de comédia construída mais pela atuação do que pelas situações. Completa esse charme – atribuindo-lhe certa beleza – o processo de aceitação a que leva a amizade: aceitação de si e aceitação do outro. Um delicado processo de reconciliação nascido da relação entre figuras solitárias e diferentes. Tudo isso moldado pelo humor cuja graça não depende do ridículo e vem sempre acompanhado de uma estranha ternura.

    Luis Yves (Paul Dano, de Pequena Miss Sunshine) é um jovem professor de literatura que, após um constrangedor incidente na universidade onde leciona, se muda para Nova York. Tímido e de fala cordial, Yves é perseguido por algumas fantasias sexuais que o deixam bastante embaraçado. Na cidade grande, vai dividir o apartamento com o excêntrico Henry Harrison (Kevin Kline, de O Clube do Imperador), um aposentado de discurso assertivo e ideias e hábitos bastante incomuns.

    Enquanto consegue um emprego em uma revista sobre meio ambiente, Yves vai descobrindo uma das atividades de seu colega de apartamento. Harrison é o que ele próprio denomina como um “homem extra”, um acompanhante frequentemente solicitado por ricas e solitárias senhoras da alta sociedade.

    Mas ele não é um gigolô, pois não cobra por sua companhia. Ele o faz apenas interessado nos bons restaurantes, bons vinhos e bons programas que estas senhoras podem proporcionar. Mais do que um “homem extra” simplesmente, ele se julga um acompanhante essencial, cujos modos, cordialidade e atenção com suas damas o colocam num nível que transcende a mera companhia. Ao menos é como ele se vê.

    Dentro da convivência entre eles, surgirá uma relação bastante incomum de companheirismo. Quase sem perceber, Yves se torna um aprendiz de seu amigo acompanhante, ao mesmo tempo que se apaixona por uma colega de trabalho (Katie Holmes, de O Casamento do Meu Ex) e também tenta resolver suas fantasias secretas.

    De ritmo bem cadenciado, Os Acompanhantes é uma comédia que aposta na delicadeza do humor. Sua graça nasce do excêntrico, mas não se apoia na esquisitice de seus protagonistas, como se fossem meras muletas para o riso. Seu humor está no carisma que esses personagens transpiram dentro de suas excentricidades. Está também na interpretação inspirada dos atores, com destaque para Kevin Kline.

    Não se pode deixar de citar a participação de John C. Reilly (de Precisamos Falar Sobre o Kevin) como Gershon Gruen, um mecânico que trabalha no metrô da cidade e costuma pedalar nas horas vagas. Ele mora no mesmo prédio que Yves e Harrison e terá um papel importante – e não menos delicado e divertido – no desenlace da fita.

    Em Os Acompanhantes a reconciliação e a aceitação são como o desenlace de uma fábula, na qual a amizade entre solitários faz deles pessoas melhores.


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus