OS ESQUECIDOS (2004)

OS ESQUECIDOS (2004)

(The Forgotten)

2004 , 96 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Joseph Ruben

    Equipe técnica

    Roteiro: Gerald Di Pego

    Produção: Bruce Cohen, Dan Jinks

    Fotografia: Anastas N. Michos

    Trilha Sonora: James Horner

    Estúdio: Revolution Studios

    Elenco

    Alfre Woodard, Anthony Edwards, Christopher Kovaleski, Dominic West, Gary Sinise, Jessica Hecht, Julianne Moore, Linus Roache, Matthew Pleszewicz

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Antes de assistir a Os Esquecidos, lembro-me que alguma crítica comparou seu final ao do clássico moderno O Sexto Sentido. Desde então, toda uma trama se desenvolveu em minha mente a partir da sinopse básica do filme. Quando, finalmente, o assisti, cheguei à conclusão que o desfecho que eu imaginava para este suspense era muito melhor do que o escolhido pelo roteirista Gerald Di Pego (Olhar de Anjo). Portanto, se você pretende assistir a essa produção, vá sabendo que esse é um dos piores filmes que já vi em um bom tempo. Porque realmente acredito que o desfecho de um roteiro é o mais importante – algo como diz o personagem de Johnny Depp em A Janela Secreta - e, se ele escorrega no final, acredito que todo o resto está perdido.

    O único trunfo que Os Esquecidos tem na manga é a presença da ótima Julianne Moore. Se algo segura o filme em terra firme, certamente é a atriz. Ela é Telly, uma mulher que há 14 meses convive com as lembranças de um filho morto em um acidente aéreo. Ela freqüenta sessões com um psicólogo, vivido por Gary Sinise, mas não consegue seguir com sua vida. O casamento está em crise e até o emprego ela abandonou desde o acidente. Só que tem um detalhe: ninguém lembra do filho dela. Nem das outras crianças que morreram no acidente. Quando, em um dia, até as fotos e vídeos que ela tinha guardado do menino desaparecem, ela resolve investigar a fundo essa história. Por mais que todos em sua volta digam que o menino nunca existiu, seu instinto diz que algo maior está acontecendo.

    E, quando eu digo que algo maior está acontecendo, pode apostar que é absurdamente grande, e é esse o problema de Os Esquecidos - a trama adquire rumos absurdos demais, no nível do seriado Arquivo X. Por isso, é meio difícil não se sentir enganado. Sim, temos boas performances. A fotografia, gelada e cinza como a Nova York de Telly, também é boa. Mas nenhum filme pode agradar quando tem um final tão absurdo. O que é uma pena. Um desperdício, até.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus