OS VIGARISTAS

OS VIGARISTAS

(Matchstick Men)

2003 , 116 MIN.

Gênero: Comédia Dramática

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Ridley Scott

    Equipe técnica

    Roteiro: Nicholas Griffin, Ted Griffin

    Produção: Jack Rapke, Ridley Scott, Sean Bailey, Steve Starkey, Ted Griffin

    Fotografia: John Mathieson

    Trilha Sonora: Hans Zimmer

    Estúdio: ImageMovers, Rickshaw Productions, Scott Free Productions, Warner Bros. Pictures

    Elenco

    Adam Clark, Alison Lohman, Andi Sherrill, Beth Grant, Bill Saito, Bruce Altman, Bruce McGill, Daniel Villarreal, Dennis Anderson, Fran Kranz, Giannina Facio, Jenny O'Hara, Jerry Hauck, Jim Zulevic, Kate Steele, Kim Cassidy, Lynn Ann Leveridge, Marco Assante, Marco Kyris, Michael Clossin, Monnae Michaell, Nicolas Cage, Nigel Gibbs, Paul Hubbard, Ramsey Malouky, Sam Rockwell, Sheila Kelley, Sonya Eddy, Steve Eastin, Stoney Westmoreland, Tim Kelleher, Tim Maculan

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Os Vigaristas, que chega aos cinemas nesta sexta-feira, é realmente um filme sobre trapaças. O espectador é o primeiro a ser trapaceado. No caso, pelo diretor Ridley Scott e os roteiristas Nicholas e Ted Griffin. Mas, ser enganado aqui, vale a pena. À primeira vista, o filme parece ser uma típica história sobre dois trapaceiros e seus mirabolantes golpes para faturar uma grana em cima de incautos. Mas a impressão se desfaz logo e descobrimos que, na verdade, a história prioriza as relações familiares à ética da picaretagem.

    O filme retrata a história de Roy, (Nicolas Cage), um obssessivo-compulsivo cheio de tiques e com mania de limpeza. Junto a seu ambicioso sócio e aprendiz Frank (Sam Rockwell), forma uma dupla que vive de aplicar pequenos golpes. As coisas mudam quando Roy fica sabendo da existência de uma filha, fruto de um relacionamento desfeito há anos. Ela é Angela (Alison Lohman), adolescente voluntariosa que vira pelo avesso a rotina cuidadosamente ordenada do pai neurótico. Mas com o passar do tempo, Roy começa a gostar de sua nova condição de pai. O problema é que a menina fica fascinada por sua carreira questionável na mesma proporção. Depois de muita insistência por parte dela, Roy, mesmo contrariado, a ensina alguns golpes, o que causa a Angela um misto de orgulho e tristeza, apesar dela demonstrar um talento especial para a coisa.

    Ridley Scott ratifica mais uma vez seu talento com essa comédia sem fatuidade e repleta de anacronismos propositais. Tudo acontece, aparentemente, numa cidade moderna, mas alguns detalhes remetem aos anos 50 e 60, o que nos faz ficar em dúvida se o filme é uma história atual ou passada em outra época. Os Vigaristas não é denso, mas os personagens são psicologicamente complexos. As interpretações de Nicolas Cage e da jovem Alison Lohman impressionam. Ele talvez tenha feito sua melhor atuação desde Despedidas em Las Vegas. Ela é a grande revelação. Interpreta um adolescente de 14 anos com todas as suas idiossincrasias de modo convincente, apesar de já ter 24 anos. Uma boa pedida para o fim de semana.


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus