PABLO PICASSO E O ROUBO DA MONALISA

PICASSO E O ROUBO DA MONALISA

(La banda Picasso)

2012 , 101 MIN.

12 anos

Gênero: Comédia

Estréia: 19/11/2015

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Fernando Colomo

    Equipe técnica

    Roteiro: Fernando Colomo

    Produção: Beatriz de la Gándara

    Fotografia: Jose Luis Alcaine

    Trilha Sonora: Juan Bardem

    Estúdio: Fernando Colomo Producciones Cinematográficas S.L., FilmTeam

    Montador: María Lara

    Distribuidora: Esfera Filmes, Europa Filmes

    Elenco

    Alexis Michalik, Barnabás Tóth, Cristina Toma, David Coburn, Eszter Tompa, Ignacio Mateos, Jordi Vilches, Lionel Abelanski, Louise Monot, Pierre Bénézit, Raphaëlle Agogué, Stanley Weber, Thomas Jouannet, Tony Gaultier

  • Crítica

    19/11/2015 17h25

    Como o próprio o nome diz, o filme Picasso E O Roubo Da Monalisa aborda o caso verídico do furto do famoso quadro pintado por Leonardo da Vinci, que aconteceu no começo do século 20, no Museu do Louvre, localizado na França. Mesmo falando de um tema interessante, o longa dirigido por Fernando Colomo (Ao Sul de Granada) se arrasta de maneira cansativa e confusa por quase uma hora e quarenta.

    Tudo por não dar o foco e direcionamento necessário para o caso que dá nome ao filme. Por mais que o título faça referência ao roubo da pintura, o episódio é abordado de maneira bastante superficial, fazendo com que a história fique solta e sem um tema definido.

    A trama se passa na Paris de 1911, antes de Picasso conquistar a fama que conhecemos hoje. Até então, ele apenas fazia parte de um grupo de amigos desocupados, que tentavam seguir a vida com talentos ainda não descobertos e com a execução de um ou outro golpe.

    Podemos dizer que o ambiente em que se passa a história é parecido com Moulin Rouge - Amor Em Vermelho, só que sem o mesmo brilho e bem menos interessante do que o longa de 2001, estrelado por Nicole Kidman. De qualquer forma, o filme carrega até certo charme, afinal de contas, conta com boas atuações do elenco, principalmente de Ignacio Mateos (Picasso) e Pierre Bénézit (Guillaume Apollinaire).

    A história começa com a polícia francesa intimando Guillaume e o pintor espanhol para esclarecerem sobre o roubo do famoso quadro da Monalisa. Em seguida, começa um flashback contando o início de como o sumiço da pintura se sucedeu. É aí que o longa se perde e fica cansativo, pois gasta-se muito tempo explorando a relação que Picasso tinha com os amigos ao invés de explicar os detalhes de como foi planejado o tal furto.

    Além disso, o pintor espanhol se apresenta apenas como uma testemunha privilegiada do caso, deixando-o de fora dos acontecimentos mais importantes do filme e transformando-o em um mero coadjuvante.

    Mesmo com alguns problemas, o longa apresenta virtudes. As primeiras cenas em preto e branco e a trilha sonora bem característica do início do século 20 contribuem para que o espectador se sinta na época abordada pela trama.

    É verdade que Picasso e O Roubo da Monalisa tem o mérito de olhar para um episódio real pouco explorado no cinema, mas sua abordagem para o tema central, que é o roubo de uma das maiores obras de arte da história, é bem superficial, o que o torna bem menos interessante do que deveria ser.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus