PAGANDO BEM, QUE MAL TEM?

PAGANDO BEM, QUE MAL TEM?

(Zack and Miri Make a Porno)

2008 , 102 MIN.

Gênero: Comédia

Estréia: 20/03/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Kevin Smith

    Equipe técnica

    Roteiro: Kevin Smith

    Produção: Carla Gardini

    Fotografia: David Klein

    Trilha Sonora: James L. Venable

    Estúdio: View Askew Productions

    Elenco

    Craig Robinson, Elizabeth Banks, Jason Mewes, Jeff Anderson, Jennifer Schwalbach Smith, Katie Morgan, Seth Rogen, Tom Savini, Traci Lords

  • Crítica

    20/03/2009 00h00

    Cultuado por nerds que viveram a juventude nos anos 90, adorando bandas de indie rock e lendo quadrinhos, o cineasta Kevin Smith calcou sua carreira na comédia, produzindo um cinema que poderia ser comparado a uma obra de Woody Allen, mas feita para jovens. Desde seu primeiro longa, O Balconista (1994), seu prestígio junto ao público e o mercado somente cresceu, embora apresente algumas escorregadelas no currículo, como o sem graça Menina dos Olhos (2004). Sinal disso é que, de acordo com a Entertainment Weekly, a poderosa produtora The Weinstein Company deu sinal verde para o projeto baseada somente no título do longa (em inglês, Zack and Miri Make a Porno, ou "Zack e Miri fazem um pornô").

    Em Pagando Bem, Que Mal Tem?, ele se junta a um destaque no gênero da atualidade, o ator e roteirista canadense Seth Rogen (Segurando as Pontas). Aliás, o próprio diretor afirma que o papel foi escrito para Rogen e, caso o ator não aceitasse, não haveria filme e ponto final. Ainda pincelando temas nerds ao roteiro, como referências a Star Wars, Smith adiciona um tempero deveras ardido em sua nova receita: o sexo, muitas vezes explícito, noutras escatológico.

    Como as outras obras de Smih, Pagando Bem, Que Mal Tem? é baseado na relação de amizade entre Miri (Elizabeth Banks) e Zack (Seth Rogen), dois losers que estudaram no colégio juntos e, dez anos depois, ainda são melhores amigos, morando juntos num apartamento caindo aos pedaços. Para piorar, seus empregos não são dos melhores e as contas estão atrasadíssimas. Para resolver suas vidas, eles resolvem se inserir num mercado em eterna ascensão: o da pornografia. Com a ajuda financeira de Delaney (Craig Robinson), que trabalha com Zack numa cafeteria, eles produzem um filme pornô. Feito por dois amadores que não têm ideia do que estão produzindo, chamam Deacon (Jeff Anderson, de O Balconista), o único cara que conhecem que tem uma câmera, para filmar a produção. O desinibido Lester (Jason Mewes, o Jay de tantos filmes de Smith) protagoniza o pornô ao lado da stripper Stacey (Katie Morgan), a dançarina exótica Bubbles (Traci Lords) e Barry (Ricky Mabe). Formado o cenário, o que temos é um desfile de nudez, piadas e diálogos espertos e referências à cultura pop, como quase qualquer filme de Kevin Smith.

    Pagando Bem, Que Mal Tem? também pode ser visto como uma homenagem de Smith a esse gênero tão renegado na indústria cinematográfica, mas que movimenta muita grana, já que o diretor escalou duas famosas atrizes pornôs para a comédia. Uma delas é Traci Lords, que ficou famosa em 1986, quando foi presa por agentes do FBI. O motivo? Foi descoberto que ela havia protagonizado produções pornográficas antes de completar 18 anos. Naquele momento, ela já era uma estrela do gênero, mas em 1988 ela já havia abandonado as produções do gênero. Depois de ter aulas de canto e interpretação, tentou a sorte como atriz "séria", mas nunca teve tanto sucesso quanto na época quando aparecia nua frente às câmeras. Aliás, diferentemente de Katie Morgan - que já fez quase 200 filmes pornôs desde 2001 e ganhou um prêmio AVN, o mais importante da indústria pornográfica -, Traci não aposta na nudez em Pagando Bem, Que Mal Tem?.

    Smith, também autor do roteiro, sabe como poucos delinear personagens cativantes, ao mesmo tempo em que cria uma ambientação capaz de fazer com que os atores pareçam amigos antigos. A química formada entre Seth Rogen e Elizabeth Banks é ao mesmo tempo hilária e completamente natural. A atriz, aliás, é capaz de segurar muito bem a onda de protagonizar o longa ao lado deste que é um dos comediantes de maior destaque nos últimos anos no cinema norte-americano. A sequência na qual eles imaginam um título para a produção, parodiando sexualmente blockbusters já existentes, é hilária, bem como quando resolvem fazer vezes de atores. Aliás, todas as cenas do filme pornô que produzem não são nada sensuais, muito pelo contrário, apelam para a comicidade da situação, resultando, definitivamente, numa comédia. Por falar nisso, vale também prestar atenção - e desejar mais, por que não? - na participação de Justin Long em Pagando Bem, Que Mal Tem?. Ele é um astro do cinema pornô gay que não tem papas na língua ao falar sexualmente sobre seu namorado, vivido por Brandon Routh. Aliás, a escalação do Super-Homen de Superman - O Retorno é simplesmente bem sacada, já que o personagem homossexual é uma perfeita contraposição à masculinidade do super-herói.

    O diretor pode ser um dos mais cultuados em se tratando da comédia norte-americana, mas isso não foi o suficiente para que ele driblasse alguns problemas mercadológicos em sua nova obra graças à adição do sexo à trama. O primeiro pôster divulgado, o que ficou na versão brasileira - que dá a idéia do sexo oral -, foi proibido nos EUA. Na cidade de Filadélfia, peças publicitárias foram proibidas simplesmente pelo título conter a palavra porno. Além disso, vários cinemas nos EUA simplesmente se recusaram a exibir o filme pelo conteúdo erótico, embora ainda seja uma comédia. Desta forma, Pagando Bem, Que Mal Tem? ainda soa como um verdadeiro desafio à cultura hipócrita norte-americana não somente porque tem a palavra porno no título, mas pelos seus diálogos permeados pelo sexo e a própria nudez dos atores. É como se Smith tentasse usar o prestígio que acumulou ao longo de sua carreira para tratar de uma forma natural, sem perder a própria essência de seu cinema, esse tema tão comum e ainda tabu que é a pornografia.

    Em tempo: não deixe de ver o vídeo escondido nos créditos finais da comédia.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus