PANTALEÃO E AS VISITADORAS

PANTALEÃO E AS VISITADORAS

(Pantaleón y las Visitadoras)

1999 , 137 MIN.

18 anos

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Francisco Lombardi

    Equipe técnica

    Roteiro: Enrique Moncloa, Giovanna Pollarolo

    Produção: G. Herrero, L. E. Crousillat

    Fotografia: Teodoro Salgado

    Trilha Sonora: Bingen Mendizábal

    Estúdio: Tornasol Films S.A

    Elenco

    Angie Cepeda, Gianfranco Brero, Gustavo Bueno, Mónica Sánchez, Pilar Bardem, Salvador del Solar

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O honesto, discreto e incorruptível capitão do exército Pantaleão Pantoja (Salvador del Solar) tem uma missão muito especial a cumprir: aquietar os ânimos do pelotão instalado na selva para defender as fronteiras. Em total segredo, ele é incumbido por seus superiores de organizar e instalar um prostíbulo no lugar, evitando assim que os soldados continuem estuprando as nativas. A princípio, Pantaleão estranha suas ordens, mas como bom militar que é, faz de tudo para cumpri-las eficiente e cegamente. Ainda que inúmeras tentações apareçam em seu caminho.

    Raríssimo exemplar de cinema peruano a chegar nas nossas salas. Do mesmo diretor do drama Não Conte a Ninguém (que também conseguiu desembarcar no circuito brasileiro), Pantaleão e as Visitadoras é uma deliciosa comédia que critica e satiriza a hipocrisia dos militares, hábeis em matar friamente, mas infantis quando se deparam com a mais antiga das profissões. As tentativas de Pantaleão em - literalmente - colocar ordem nesta zona são hilariantes. Em sua obsessão pela disciplina, o capitão desfila pela passarela do ridículo e expõe as fraquezas e o lado patético de uma instituição que deveria estar defendendo a soberania da Pátria. No caso, o Peru. Ou não.

    O filme começa em tom de comédia e aos poucos vai se transformando em crítica política e social. Nem poderia ser diferente, já que o roteiro é baseado no livro homônimo de Mario Vargas Llosa, um dos autores mais politizados do Peru, que já foi até candidato à presidência daquele país.

    Esta, aliás, não é a primeira vez que o famoso livro ganha uma adaptação cinematográfica. O próprio escritor já havia dirigido uma pouco assistida co-produção entre Espanha e República Dominicana, com o mesmo título, em 1975. Esta nova versão chega ao Brasil com três anos de atraso. Melhor tarde do que nunca. Inteligente e bem dirigido, Pantaleão e as Visitadoras é um filme ao mesmo tempo sensual, humano e político, que retrata uma situação que fala bem de perto aos brasileiros.

    Não por acaso, ele ganhou sete prêmios no Festival de Gramado de dois anos atrás, quando foi ovacionado pelo público. Merece ser visto.

    17 de junho de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus