PATATIVA DO ASSARÉ - AVE POESIA

PATATIVA DO ASSARÉ - AVE POESIA

(Patativa do Assaré - Ave Poesia)

2007 , 84 MIN.

Gênero: Documentário

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Rosemberg Cariry

    Equipe técnica

    Roteiro: Rosemberg Cariry

    Produção: Petrus Cariry, Teta Maia

    Fotografia: Beto Bola, Fernando Garcia, Jackson Bantim, Kin, Luiz Carlos Salatiel, Rivelino Mourão, Ronaldo Nunes

    Trilha Sonora: Fagner, Fausto Nilo, Mário Mesquita, Patativa do Assaré, Pingo de Fortaleza, Ricardo Bezerra

    Estúdio: Iluminura Filmes

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    "Poesia matuta". É assim que o cearense Patativa do Assaré, morto em 2002 aos 93 anos, define a sua arte. Um poeta de cá e de lá, cuja matéria criadora é o popular, mas os escritos também transitam entre o erudito. Este personagem é carinhosamente retratado em Patativa do Assaré - Ave Poesia.

    Não é a primeira vez que o cineasta Rosemberg Cariry, cujos filmes de ficção sempre fazem investidas nos significados de cultura popular, se dedica a Patativa. Um de seus primeiros filmes, rodado em Super-8, foi sobre o poeta e cantador. Cariry, também cearense, mostra muita proximidade e carinho com o poeta. Tanto que o vinha filmando desde 1979, imagens que integram o documentário.

    A História brasileira é o fio narrativo e Patativa seu sujeito, cujas rimas e rigor métrico construíram trovas que se voltavam principalmente à pobreza e, consequentemente, ao sertão. Lugar místico que guarda o peso de sintetizar a desigualdade e a "pureza" das tradições e culturas brasileiras. Espaço cênico que José Padilha tentou, com Garapa, denunciar, ato que Patativa vinha fazendo desde a década de 30 por meio do lirismo.

    Ou o que na literatura é Vidas Secas e, no cinema, a adaptação de Nelson Pereira dos Santos ou nos filmes de Vladimir de Carvalho. Ao lado deles está o poeta cearense, posição que é reforçada pelo documentário de Cariry. A criação das ligas camponesas, a reforma agrária, o ciclo da borracha, o golpe militar, a tortura do governo Médici, a abertura "lenta e gradual" da ditadura, o sindicalismo, as Diretas Já, o governo Collor e FHC. Sem didatismo, Patativa do Assaré - Ave Poesia nos ajuda a montar um quebra-cabeça da história Brasil nos últimos 50 anos. Com isso, conta a história do poeta.

    A poesia de Patativa, apelido herdado de uma ave, parece de construção simples, mas o documentário nos lembra o quão elaborada ela é. E mais: como a poesia falada por um dialeto nordestino que não é necessariamente o português tem mais poder que a escrita. O documentário de Cariry, que felizmente não interrompe nenhuma declamação de Patativa, reforça a força da cultura oral no Brasil e é uma boa apresentação a sua obra.

    O filme vai além do registro e da tentativa de preservação. Patativa do Assaré - Ave Poesia é mais um elemento para entender o que é cultura popular, seja no sentido universal como propunha Chico Science ou na preservação erudita defendida por Ariano Suassuna. De qualquer forma, o documentário de Rosemberg Cariry é mais um capítulo para pensar: o que é cultura popular? Antônio Gonçalves da Silva, o Patativa, dá algumas respostas.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus