PERDIDO PRA CACHORRO

PERDIDO PRA CACHORRO

(Beverly Hills Chihuahua)

2008 , 112 MIN.

anos

Gênero: Comédia

Estréia: 13/02/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Raja Gosnell

    Equipe técnica

    Roteiro: Analisa LaBianco, Jeffrey Bushell

    Produção: David Hoberman, John Jacobs, Todd Lieberman

    Fotografia: Phil Meheux

    Trilha Sonora: Heitor Pereira

    Estúdio: Walt Disney Pictures

    Elenco

    Andy Garcia, Drew Barrymore, Edward James Olmos, Jamie Lee Curtis, Piper Perabo, Salma Hayek

  • Crítica

    13/02/2009 00h00

    Quando a socialite Vera Loyola fez uma grande festa de aniversário para sua cachorra de estimação em 1999, foi alvo de críticas. O fato é que, naquele momento, o mercado de mimos oferecidos aos animais de estimação dos endinheirados só vinha crescendo, não somente por aqui, mas nos EUA também. Quando celebridades como Paris Hilton, Gisele Bündchen e Jessica Simpson, entre tantas outras, passaram a tirar seus bichinhos da vida doméstica para exibi-los em compromissos sociais, virou moda tratar os animais como humanos, vestindo-os com roupas de grife e até jóias. Perdido Para Cachorro pega carona nesse crescente mercado, exibindo cachorros falantes numa aventura tão surreal quanto o tratamento de luxo que alguns animais ganham de seus donos.

    Chloe (voz de Drew Barrymore na versão original) é uma cadela da raça chihuahua, a preferida das socialites pelo porte pequeno (até demais). Sempre com roupas que pretendem ser belas, mas não passam de criações cafonas - criadas a partir de desenhos clássicos de Chanel e Valentino, de acordo com María Estela Fernández, responsável pelo figurino da produção -, a chihuahua branca vive cercada de riqueza, a começar pela coleira de diamantes que usa. Isso porque sua dona é Viv (Jamie Lee Curtis), milionária proprietária de uma empresa de cosméticos que, sem filhos, trata Chloe como seu bebê, cobrindo o animal de mimos. Quando a babá que ficaria responsável pelos cuidados de sua cadela dá à luz três meses antes do esperado, sobra para a sobrinha de Viv, Rachel (Piper Perabo), a tarefa de tomar conta do precioso animal durante uma viagem à Europa. Jovem e farrista, Rachel resolve ir com as amigas para o México, levando Choe consigo.

    Claro que a chihuahua resolve fugir, especialmente quando sua protetora tem a audácia de alimentá-la com comida para cachorros. Sequestrada por um grupo de vilões que organizam rinhas de cães na Cidade do México, Chloe encontra proteção do pastor alemão durão Delgado (dublado por Andy Garcia) enquanto tenta voltar ao luxuoso bairro de Beverly Hills. Enquanto isso, Rachel corre em busca do paradeiro da cadela, ganhando a ajuda do paisagista bonitão Sam (o colombiano Manolo Cardona, de A Mulher do meu Irmão) e seu chihuahua Papi, que está apaixonado por Chloe. Lá, a cadela mimada descobre a vida levada pela maioria dos cães, marcada pelo instinto de sobrevivência e não pelo luxo proporcionado por sua dona ricaça.

    Essa aventura no México leva os personagens a uma aventura falada em duas línguas: espanhol e inglês, o que acaba ficando perdida pela dublagem da versão brasileira. Os efeitos especiais são bem-sucedidos ao dar características humanas aos personagens caninos, por mais que isso soe bastante assustador, mais do que "engraçadinho", ao mesmo tempo em que os dois personagens virtuais - o rato ardiloso Manuel e o iguana Chico - são quase reais, exceto pelo fato que falam e estão obcecados pela coleira de diamantes da protagonista. No entanto, o excesso de personagens acaba desviando a atenção do espectador. Além disso, eles são desenvolvidos em cima de clichês criados pelo próprio cinema, mas, no caso, com humanos. Quantos filmes sobre policiais traumatizados que abandonaram a instituição e se redimem por conta do coração bondoso você já viu? Quantas duplas de bandidos ardilosos e atrapalhados já passaram pelas telas? Os personagens de Perdido Pra Cachorro são tão rasos e previsíveis que acabam conquistando somente os espectadores que realmente apreciam ver animais falando nos filmes.

    O treinamento dos animais reais, coordenado por Mike Alexander (Resgate Abaioxo de Zero), é impressionante. Com cães que realmente foram resgatados de abrigos nos EUA e México, a produção ostenta um comprometimento nesse sentido, uma bandeira bastante louvável, mas não deixa de fazer com que Perdido Pra Cachorro seja somente mais um filme com animais falantes.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus