PERFUME - A HISTÓRIA DE UM ASSASSINO

PERFUME - A HISTÓRIA DE UM ASSASSINO

(Perfume: The Story of a Murderer)

2006 , 147 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Tom Tykwer

    Equipe técnica

    Roteiro: Andrew Birkin, Bernd Eichinger, Tom Tykwer

    Produção: Bernd Eichinger

    Fotografia: Frank Griebe

    Trilha Sonora: Johnny Klimek, Reinhold Heil, Tom Tykwer

    Elenco

    Alan Rickman, Andrés Herrera, Ben Whishaw, David Calder, Dustin Hoffman, John Hurt, Rachel Hurd-Wood, Richard Felix, Simon Chandler

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Com um orçamento estimado em € 50 milhões (algo em torno de US$ 65 milhões), Perfume - A História de um Assassino é a produção alemã mais cara da história, até o momento. Na verdade, trata-se de uma co-produção que envolveu não apenas Alemanha, como também França e Espanha, com belíssimas locações em Barcelona, Munique, Grasse e outras localidades de encher os olhos.

    O filme era dos mais esperados, em primeiro lugar pelo sucesso do livro que o originou, traduzido para 45 idiomas, e que vendeu mais de 15 milhões de cópias em todo o mundo. E em segundo lugar, pela insistente resistência que o seu autor, o excêntrico e recluso alemão Patrick Süskind, ofereceu durante anos contra todos os cineastas que se dispuseram a comprar os direitos autorais do livro. Tanto que a obra foi publicada em 1985 e os direitos só foram comercializados em 2001.

    Valeu esperar? Nem tanto. A direção do também alemão Tom Twyker (consagrado por Corra, Lola, Corra) optou por conferir ao filme uma estilização visual exagerada, criando uma estética excessivamente publicitária. Os maneirismos de montagem e efeitos chegam a ser cansativos, tamanha a quantidade de câmeras lentas, tomadas rápidas, travellings neuróticos, ângulos supostamente inusitados e outros penduricalhos visuais que mais atrapalham que ajudam a narrativa. Mesmo considerando que a direção de arte e a fotografia são belíssimas.

    O roteiro também deixa a desejar, usando e abusando da narração oral (feita por John Hurt), impedindo que o filme rompa com a linguagem verbal do livro que o originou e ganhe personalidade cinematográfica própria.

    E para quem não foi um dos compradores dos 45 milhões de exemplares do livro, vale dizer que a história, ambientada no século 18, fala de Jean-Baptiste Grenouille (o inglês Ben Whishaw), um rapaz pobre que nasceu com um olfato megadesenvolvido, capaz de diferenciar os mais diferentes tipos de odores a quilômetros de distância. Ao se apaixonar pelo cheiro de uma bela jovem e depois a matar inadvertidamente, Grenouille passa a desenvolver uma obsessão doentia pela criação de novos perfumes, transformando seu dom em paranóia assassina.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus