PIRATAS DO CARIBE - NO FIM DO MUNDO

PIRATAS DO CARIBE - NO FIM DO MUNDO

(Pirates of the Caribbean: At Worlds End)

2007 , 169 MIN.

12 anos

Gênero: Aventura

Estréia: 25/05/2007

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Gore Verbinski

    Equipe técnica

    Roteiro: Jay Wolpert, Stuart Beattie, Ted Elliott, Terry Rossio

    Produção: Jerry Bruckheimer

    Fotografia: Dariusz Wolski

    Trilha Sonora: Hans Zimmer

    Estúdio: Jerry Bruckheimer Films, Second Mate Productions, Walt Disney Pictures

    Distribuidora: Disney

    Elenco

    Albert 'Sumo' Lee, Andy Beckwith, Angus Barnett, Bill Nighy, Brendyn Bell, Caesar Peters, Chris M. Allport, Chris Symonds, Christopher Adamson, Christopher S. Capp, Clive Ashborn, David Bailie, David Prak, David Schofield, Dermot Keaney, Dominic Scott Kay, Edwin H. Bravo, Geoffrey Alch, Geoffrey Rush, Ghassan Massoud, Giles New, Greg Ellis, Hakeem Kae-Kazim, Henry T. Yamada, Ho-Kwan Tse, Humberto Fernández Tristan, Jack Davenport, James Lancaster, JB Blanc, Jessica-Elisabeth, Jim Raycroft, Johnny Depp, Jonathan Limbo, Jonathan Linsley, Jonathan Pryce, Keira Knightley, Keith Richards, Kevin McNally, Kimo Keoke, Larry Leong, Lauren Maher, Lawrence Cummings, Lee Arenberg, Lidet Viravong, Mackenzie Crook, Marc Joseph, Marcel Iures, Mark Hildreth, Marshall Manesh, Martin Klebba, Matthew Wolf, Michael Symonds, Mick Gallagher, Naomie Harris, Ned Wertimer, Omid Djalili, Orlando Bloom, Ova Saopeng, Peter Donald Badalamenti II, Philip Shin, Quang Huynh, Reggie Lee, Rick Mali, Robert Elmore, Robert Hovencamp, Ronnie Cruz, Sam Bower (voz), Samela A. Beasom, Sergio Calderón, Stellan Skarsgård, Stuart Wong, Takayo Fischer, Thomas Isao Morinaka (voz), Tom Hollander, Toru Tanaka Jr., Tyler Tuione, Vanessa Branch, Winston Ellis, Yun-Fat Chow

  • Crítica

    25/05/2007 00h00

    Em time que está ganhando não se mexe e Piratas do Caribe - No Fim do Mundo não vai contra esse sábio dito popular. A aventura baseada em atração da Disneylândia traz todos os elementos que fizeram a franquia uma das mais milionárias da história do cinema: o humor, os toques de suspense e sobrenatural, as eletrizantes cenas de ação e os efeitos especiais de cair o queixo estão no terceiro filme da série. No entanto, em doses mais homeopáticas, digamos, já que neste terceiro filme o espectador não é tão "bombardeado" pela ação como acontece no segundo filme; há mais espaço para o desenvolvimento da complexa trama e dos personagens.

    Logo no começo, Piratas do Caribe - No Fim do Mundo já mostra que pretende dar mais foco aos personagens que acompanham Jack Sparrow (Johnny Depp) em suas aventuras bucaneiras. Vendo que o Lorde Cutler Beckett (Tom Hollander) pretende acabar com todos os piratas do mundo, que estão sendo executados "aos baldes", Elizabeth Swann (Keira Knightley) e o capitão Barbossa (Geoffrey Rush) viajam a Cingapura para encontrar Sao Feng (Chow Yun-Fat). Ele é o detentor dos mapas que levam ao Fim do Mundo, onde se encontra Sparrow, preso no navio fantasma Flying Dutchman por conta da dívida que tem de pagar a Davy Jones (Bill Nighy). Também acompanhados por Will Turner (Orlando Bloom), partem em busca do salvamento de Sparrow, um dos nove Lordes da Corte da Irmandade bucaneira, um grupo que reúne os principais piratas de todos os mares do mundo. Juntos, eles podem salvar os piratas da destruição total.

    Na produção que encerra a trilogia, a balança pende mais para o drama e o romance: há tramas envolvendo as traições bucaneiras - afinal, piratas são pouco confiáveis -, mas também há espaço para uma crise no romance entre Elizabeth Swann (Keira Knightley) e Will Turner (Orlando Bloom). A transformação da personalidade de Elizabeth é a que fica mais evidente: se no primeiro filme ela era uma donzela indefesa, nesta produção ela é uma verdadeira pirata, usando as calças e os chapéus típicos dos piratas. O capitão Barbossa (Geoffrey Rush) e Tia Dalma (Naomie Harris) também ganham mais destaque na história, especialmente a segunda. O posto de vilão nesta terceira aventura é ocupado não somente por Davy Jones (Bill Nighy), que vem do longa anterior, mas também pelo Lorde Cutler Beckett (Tom Hollander), definitivamente o personagem que ganha mais lugar nesta nova trama. Há, ainda, a ilustre participação do roqueiro Keith Richards, guitarrista dos Rolling Stones, como o pai de Sparrow e guardião do sagrado e rigoroso código dos piratas (sim, eles têm um conjunto de regras, por incrível que pareça). Johnny Depp já havia declarado ter se inspirado também em Richards para compor o personagem.

    Piratas do Caribe - No Fim do Mundo traz a mesma direção de Gore Verbinski, capaz de acompanhar muito bem as histórias piratas entre ondas e brigas de espada, fazendo, mais uma vez, com que o espectador consiga se sentir bem inserido na aventura, sempre com a ajuda de efeitos especiais de primeira linha. Por isso, o longa-metragem traz exatamente o que os admiradores dos dois filmes anteriores esperam, mas pode ser um tanto quanto cansativo, especialmente por conta da duração: são quase três horas de projeção. O que também cansa é a mesmice. Apesar da franquia ter trazido de volta aos espectadores a diversão das matinês dos anos 30, auge da popularidade dos filmes de piratas, a fórmula começa a ficar batida.

    Evidentemente, Piratas do Caribe - No Fim do Mundo ainda é um tipo de entretenimento raro na maioria das aventuras - aquela diversão com qualidade, sabe? -, mas já é possível pensar que a fórmula esteja perdendo o fôlego. A conclusão do roteiro do filme dá margem à possibilidade de uma continuação, pelo menos, mas, se a série pretende sair da trilogia, algumas coisas devem ser mudadas de forma mais radical para que o espectador não comece a se sentir entediado com as aventuras bucaneiras de Jack Sparrow e seus amigos.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus