PIRATAS DO CARIBE - O BAÚ DA MORTE

PIRATAS DO CARIBE - O BAÚ DA MORTE

(Pirates of the Caribbean: Dead Man's Chest)

2006 , 154 MIN.

12 anos

Gênero: Aventura

Estréia: 21/07/2006

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Gore Verbinski

    Equipe técnica

    Roteiro: Jay Wolpert, Stuart Beattie, Ted Elliott, Terry Rossio

    Produção: Jerry Bruckheimer

    Fotografia: Dariusz Wolski

    Trilha Sonora: Hans Zimmer

    Estúdio: Jerry Bruckheimer Films, Second Act Productions Inc, Walt Disney Pictures

    Elenco

    Alex Cong, Alex Norton, Andy Beckwith, Anthony Patricio, Barry McEvoy, Bill Nighy, Bud Mathis, Christopher Adamson, Christopher S. Capp, Christopher Sullivan, Clive Ashborn, Craig Thomson, David Bailie, David Keyes, David Schofield, David Sterne, David Zahedian, Dermot Keaney, Derrick O'Connor, Faouzi Brahimi, Félix Castro, Fred Toft, Georges Trillat, Gerard J. Reyes, Gerry O'Brien, Hernando Molina, Ho-Kwan Tse, Israel Aduramo, Jack Davenport, Jerald Garner, Jim Cody Williams, Jimmy Roussounis, John Boswall, John Mackie, Johnny Depp, Jonathan Limbo, Jonathan Linsley, Jonathan Pryce, Josie Dapar, Keira Knightley, Kevin McNally, Lauren Maher, Lee Arenberg, Luke de Woolfson, M. Scott Shields, Mackenzie Crook, Marco Khan, Martin Klebba, Matthew Bower, Max Baker, Michael Enright, Michael Miranda, Mike Haberecht, Moray Treadwell, Naomie Harris, Natsuko Ohama, Neil Panlasigui, Nej Adamson, Orlando Bloom, Reggie Lee, Robbie Gee, Rudolph McCollum, San Shella, Spider Madison, Stellan Skarsgård, Steve Speirs, Sylver Simon Meacock, Tom Hollander, Vanessa Branch, Winston Ellis

  • Crítica

    21/07/2006 00h00

    Saí da projeção de Piratas do Caribe 2 - O Baú da Morte meio tonto. A quantidade de informações que o filme bombardeia sobre nossos olhos, ouvidos e mentes chega a atordoar. São duas horas e meia de um visual arrebatador, direção de arte exuberante e efeitos especiais que fazem até os mais céticos acreditarem que piratas de verdade podem desembarcar a qualquer momento num cinema perto de você. Com alguma imaginação, quase se sente o cheiro dos marujos. Ah, claro, a música não pára quase nunca, como virou mania entre os arrasa-quarteirões.

    Vale, antes de mais nada, uma recomendação: para curtir melhor esta continuação, tente ver (ou rever) o primeiro filme. O roteiro deste não se preocupa em explicar o episódio anterior e talvez a intenção seja esta mesma. Assim, todos nós alugamos e/ ou compramos mais DVDs do filme de 2003. A ação já começa como se estivéssemos entrado no cinema no meio da projeção. Desta vez, o capitão Jack Sparrow (Johnny Depp, impagável) descobre que tem uma dívida de morte com o legendário Davey Jones (Bill Nighy, irreconhecível debaixo de uma maquiagem virtual de polvo humano, ou coisa parecida), capitão do navio fantasma Flying Dutchman. O descolado Jack não vai medir esforços para encontrar uma forma de fugir de sua eterna maldição, nem que para isso seja necessário envolver até o pescoço os "amigos" Will Turner (Orlando Bloom) e Elizabeth Swann (Keira Knightley).

    O roteiro, na verdade, não é o forte de Piratas do Caribe 2. Algumas idas e vindas desnecessárias acabam criando "barrigas" (momentos redundantes nos quais o filme parece "patinar") que quase prejudicam o resultado final. Quase. O fascínio visual da produção é tão sedutor que acaba superando as fragilidades da narrativa. Seu grande mérito é utilizar com competência o que há de mais moderno em termos de recursos visuais cinematográficos para recriar diante dos nossos olhos um dos mundos mais antigos que as câmeras já captaram: o dos piratas.

    A franquia Piratas do Caribe é uma espécie de Indiana Jones deste início de século. Da mesma forma que Steven Spielberg e George Lucas ressuscitaram na tela grande do cinema, com toda a tecnologia disponível na época, as aventuras clássicas e juvenis que faziam a alegria das matinês dos nossos pais e avós, agora o diretor Gore Verbinski e o produtor Jerry Bruckheimer nos fazem mergulhar no fascinante universo de navios fantasmas, bucaneiros e tesouros escondidos. O encanto é inevitável. Junte-se a isso um elenco dos mais carismáticos e o resultado é um mega-sucesso que superou os US$ 130 milhões de bilheteria somente no seu primeiro final de semana nos EUA, batendo todos os recordes de estréia em todos os tempos (o anterior era do Homem-Aranha, com US$ 114,8 milhões).

    Desnecessário dizer que o terceiro capítulo - filmado simultaneamente a este segundo - está previsto para 2007. Em time que está faturando não se mexe.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus