QUATRO MINUTOS

QUATRO MINUTOS

(Vier Minuten)

2006 , 100 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Chris Kraus

    Equipe técnica

    Roteiro: Chris Kraus

    Produção: Alexandra Kordes, Meike Kordes

    Fotografia: Judith Kaufmann

    Trilha Sonora: Annette Focks

    Estúdio: Bayerischer Rundfunk

    Elenco

    Hannah Herzsprung, Jasmin Tabatabai, Monica Bleibtreu, Richy Müller, Stefan Kurt, Sven Pippig

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Quatro Minutos é um drama alemão produzido em 2006 que chega (só agora) ao circuito brasileiro, respaldado por mais de duas dezenas de prêmios em festivais europeus e norte-americanos. E não decepciona: intenso e dirigido com sensibilidade, o filme fala de Traude (Monica Bleibtreu), uma rude e dura professora de piano que se dedica - sem muito sucesso nem alegria - a lecionar para prisioneiras de uma penitenciária.

    Até o dia em que o sonho de todo professor parece se realizar: encontrar um aluno de talento excepcional. Porém, a utopia do estudante perfeito se transforma em pesadelo, já que a dona do talento em questão é Jenny (Hannah Herzsprung), uma jovem prisioneira de extrema periculosidade, violenta, rebelde e totalmente indisciplinada.
    Contra todos - a própria aluna, inclusive -, a velha mestra insiste em desenvolver o dom de Jenny e inscrevê-la num concurso de piano. A relação entre ambas assumirá contornos insustentáveis.

    O roteiro de Quatro Minutos (escrito pelo próprio diretor, Chris Kraus) se sustenta sobre dicotomias: mestra/ pupila, velhice/ juventude, contenção/ rebeldia. Porém, logo se percebe que as protagonistas, embora aparentemente vivendo em mundos opostos, sofrem do mesmo mal: a prisão. Seja ela sob a forma concreta dos muros de uma penitenciária ou sob a forma abstrata das armadilhas da solidão. Tudo isso emoldurado por uma bela fotografia fria, em tons pastéis, que acentua a aridez das personalidades das personagens principais.

    O filme levou quase 400 mil alemães aos cinemas. Merecia mais.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus