REDE DE MENTIRAS

REDE DE MENTIRAS

(Body of Lies)

2008 , 128 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia: 28/11/2008

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Ridley Scott

    Equipe técnica

    Roteiro: William Monahan

    Produção: Donald De Line, Ridley Scott

    Fotografia: Alexander Witt

    Trilha Sonora: Marc Streitenfeld

    Estúdio: De Line Pictures, Scott Free Productions, Warner Bros. Pictures

    Elenco

    Abdu Rahim Kashmir, Al Twanmo, Ali Alvi, Ali Khalil, Ali Suliman, Allen Lidkey, Alon Aboutboul, Annabelle Wallis, Bijan Daneshmand, Chase Edmunds, Clara Khoury, David Ganly, Drif Said, Ellie K. Wang, Ghali Benlafkih, Giannina Facio, Golshifteh Farahani, Houda Zbit, Howard W. Overshown, Jamil Khoury, Jill Wolsey, Kais Nashif, Kathy Brady, Leonardo DiCaprio, Lubna Azabal, Mark Strong, Matthew James Gulbranson, Mehdi Nebbou, Michael Gaston, Michael Stuhlbarg, Morgan A. Vick, Omar Berdouni, Oscar Isaac, Quentin Mare, Ran Nikfam, Richard De Mayo, Russell Crowe, Sami Samir, Sherif Eltayeb, Simon McBurney, Vedant Gokhale, Vince Colosimo, William Meredith, Xanthe Elbrick, Youssef Srondy, Zakaria Atifi, Zef Balbona

  • Crítica

    28/11/2008 00h00

    Os tempos não são de heróis íntegros. Com um início de século 21 marcado pelo ataque às Torres Gêmeas, invasão ao Iraque, ataques terroristas em Madrid, morte de brasileiro pela polícia britânica, o espaço para personagens de caráter íntegro está reduzido. A figura do salvador encarnado por Rambo na década de 80 está mais sombria como no recente Batman - O Cavaleiro das Trevas.

    Rede de Mentiras, novo filme de Ridley Scott (O Gângster), se insere nesse contexto. Ainda que trabalhando com o bem (EUA) e o mal (terroristas), o longa apresenta um tabuleiro mais complexo. E ainda bate em uma tecla já conhecida desde que o erro chamado Guerra do Iraque foi exposto: arrogância e sentimento de superioridade levam à derrota.

    O cenário é de guerra. Quem comanda as operações da CIA é Edward Hoffman (Russell Crowe), um homem de meia idade, classe média e chefe de família bonachão que ainda não se acostumou à função de pai. Quem executa as operações é Roger Ferris (Leonardo DiCaprio), jovem agente americano astuto, que fala árabe e inserido no costume de alguns países do Oriente Médio.

    O burocrata do escritório e o homem da ação, durante toda a trama do filme, têm visões diferentes sobre o mesmo objetivo: capturar Al-Saleem (Alon Aboutbol), líder fundamentalista de uma célula terrorista. Hoffman, apressado e arrogante, representa a crítica aos agentes americanos que não dão a mínima para o Oriente Médio. Ferris, que vive o cotidiano de assassinatos e risco de morte, é o esforço constante de mostrar que os métodos são outros.

    Russel Crowe está seguro na interpretação do "homem que manda" - voz calma e movimentos corporais suaves, típicos de um personagem frio. No lado oposto, DiCaprio exagera nos trejeitos do "homem que resolve", reforçando as composições mais simplistas de um personagem policial.

    Ridley Scott aposta na ação e nas conexões criadas pelo roteiro de William Monahan (Os Infiltrados). Se em seu filme anterior, O Gângster, Scott explorou o duelo particular de Frank Lucas (Denzel Washington) e Richard Roberts (Russel Crowe), tendo a corrupção como pano de fundo, em Rede de Mentiras, todos os personagens envolvidos na busca de informações que levem ao líder ocupam ora o posto de aliado, ora de inimigo, construindo uma complexa rede de dúvidas, desconfiança e deixando uma lição para a relação dos EUA com o Oriente Médio.

    Para quem está minimamente informado e consegue juntar "A" com "B", nenhuma novidade o desastre da atuação norte-americana. Scott é eficiente ao trabalhar com cenas de ação em Rede de Mentiras, mas para os órfãos de Blade Runner, ainda resta uma saudade do passo à frente do caçador de andróides.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus