REFLEXOS DA INOCÊNCIA

REFLEXOS DA INOCÊNCIA

(Flashbacks of a Fool)

2008 , 124 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia: 22/08/2008

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Baillie Walsh

    Equipe técnica

    Roteiro: Baillie Walsh

    Produção: Claus Clausen, Damon Bryant, Genevieve Hofmeyr, Lene Bausager

    Fotografia: John Mathieson

    Trilha Sonora: Richard Hartley

    Elenco

    Claire Forlani, Daniel Craig, Harry Eden, James D'Arcy, Jodhi May, Miriam Karlin

  • Crítica

    22/08/2008 00h00

    Daniel Craig não é bobo. Ele tem administrado sua carreira de modo a colher todos os louros de seu personagem mais famoso, James Bond, ao mesmo tempo em que investe em projetos menores que o não permitem estagnar estigmatizado unicamente à figura de 007. Entre estas suas novas investidas, está o drama britânico Reflexos da Inocência, primeiro longa de ficção para cinema do roteirista e diretor Baillie Walsh, nome vindo dos videoclipes.

    Aqui, Craig vive Joe, um astro de Hollywood cercado de belas (e vazias) mulheres, dono de uma mansão literalmente cinematográfica, mas que não consegue esconder sua crônica depressão. Num mesmo dia, ele deixa de ganhar um importante papel num filme, briga com seu agente e ainda por cima recebe uma triste notícia por telefone. Este momento negativo desencadeia em Joe os "flash-backs de um tolo", como diz o título original do filme. Ou os seus reflexos (não seriam reflexões?) de uma infância inocente que não voltará jamais.

    Apesar do diretor ser especializado em clipes musicais (ou talvez por isso mesmo), o filme opta por uma narrativa mais lenta e reflexiva, como o tema exige. Subvertendo (ainda bem) os padrões clássicos do roteirão comercial, o tal flash-back só começa depois de meia hora de projeção, dando início praticamente a um novo filme dentro do filme.

    Como toda obra que se baseia num personagem principal recordando momentos importantes de sua infância/ adolescência, Reflexos da Inocência também tem um tom nostálgico, pendendo para a poesia, com olhares tristonhos, cenas a beira mar e pensamentos silenciosos.
    Não é nenhum Amarcord, mas é um entretenimento digno.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus