RESPIRO

RESPIRO

(Respiro)

2002 , 90 MIN.

14 anos

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Emanuele Crialese

    Equipe técnica

    Roteiro: Emanuele Crialese

    Produção: Dominic Process

    Fotografia: Fabio Zamarion

    Trilha Sonora: John Surman

    Estúdio: Fandango

    Elenco

    Elio Germano, Filippo Pucillo, Francesco Casisa, Muzzi Loffredo, Valeria Golino, Veronica D'Agostino, Vincenzo Amato

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O roteiro de Respiro teria tudo para ter um quê de discurso feminista: mulher casada choca sociedade de pequena cidade italiana com seu comportamento liberal. No entanto, o filme, dirigido por Emanuele Crialese, segue outro caminho. Não é nada político, na verdade, mas vai para o viés estético, principalmente. Afinal, com as locações de Respiro, impossível não termos um filme bonito, no mínimo.

    A trama se dá em Lampedusa, ilha a oeste da Sicília (Itália). A vida por lá é pacata: homens saem cedo para pescar enquanto as mulheres tomam conta da casa. O máximo de agito que seus moradores costumam presenciar é uma briga ou outra entre gangues de moleques locais. Mas a jovem Grazia (Valeria Golino) quebra este marasmo com seus surtos cada vez mais freqüentes. Casada com o pescador Pietro (Vincenzo Amato), é mãe de Pasquale (Francesco Casisa), Filippo (Filippo Pucillo) e Marinella (Veronica D'Agostino). Mas ela é diferente das outras donas de casa da ilha: belíssima, jovial, carinhosa ao extremo, Grazia não se importa nem um pouco com os boatos que vêm na rabeira da atitude liberal demais para a pequena cidade.

    Sua família tenta lhe proteger, mas seu comportamento extremo, muitas vezes violento, sai do controle dos que a rodeiam, tornando evidente a realidade de que Grazia deve ser mandada a Milão para um tratamento psicológico. Para impedir isso, justificando seu temperamento totalmente imprevisível, ela foge de casa e se esconde com a ajuda de Pasquale.

    Em uma experiência similar a de Cidade de Deus, o diretor Emanuele Crialese escalou somente atores amadores - exceto por Valeria Golino - para fazer parte deste elenco. A experiência deu mais do que certo, tanto que eles se destacam até mais do que a profissional do time.

    Respiro é mais do que a história de uma mulher desequilibrada: o filme mostra como seus personagens interagem com o belo meio ambiente e, também, como a família consegue lidar com a instabilidade emocional de sua matriarca, cujo humor oscila entre a euforia e a depressão profunda de modo que as únicas soluções encontradas são as injeções de calmantes. No final das contas, as tramas paralelas à de Grazia acabam sendo mais interessantes do que a da própria protagonista.

    Respiro, que venceu o Grande Prêmio da Crítica no Festival de Cannes, é ideal para aqueles que querem sair da mesmice do "cinemão-pipoca". É belo e tocante, tanto na forma como no conteúdo.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus