RIO

RIO

(Rio)

2011 , 105 MIN.

Gênero: Animação

Estréia: 08/04/2011

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Carlos Saldanha

    Equipe técnica

    Roteiro: Carlos Saldanha, Don Rhymer, Earl Richey Jones, Jeffrey Ventimilia, Joshua Sternin, Sam Harper, Todd Jones

    Produção: Bruce Anderson John C. Donkin

    Fotografia: Renato Falcão

    Trilha Sonora: John Powell

    Estúdio: Blue Sky Studios, Twentieth Century Fox Animation

    Distribuidora: Fox Film

    Elenco

    Adriana Souza, Alberto Costa, Andrea de Oliveira, Andrea Ferraz, Anne Hathaway, Anzolin Borges, Bebel Gilberto, Bernardo de Paula, Bianca Rossini, Carlinhos Brown, Carlos de Oliveira, Carlos Ponce, Carlos Saldanha, Cindy Slattery, Claudia Bretas, Davi Vieira, Ester Dean, Flávia de Mellow, Francisco Ramos, George Lopez, Gracinha Leporace, Hanna Frankel, Heber Moreira, Jake T. Austin, Jamie Foxx, Jane Lynch, Jason Fricchione, Jean Gilpin, Jeffrey Garcia, Jemaine Clement, Jesse Eisenberg, Johnny Gidcomb, Judah Friedlander, Julia Kamanchek Lopes, Julia Saraiva Gomez, Julia Scarpa Saldanha, Justine Warwick, Karen Disher, Kelly Keaton, Leo Nobre, Leslie Mann, Lorrayne Mathias, Lucas dos Santos, Manoela Scarpa Saldanha, Marcos Daniel Ferreira, Mario Costa, Matheus dos Santos, Matthew Wolf, Maxwell Wippich, Mikael Mutti, Mina Olivera, Miriam Wallen, Nicholas Guest, Phil Miler, Priscilla Avila, Renato D'Angelo, Rif Hutton, Rodrigo Santoro, Sergio Mendes, Shanti Cordeiro, Sofia Scarpa Saldanha, Thomas F. Wilson, Tim Nordquist, Tracy Morgan, Ubirajara de Castro, Wanda Sykes, Wendy Cutler, Will i Am

  • Crítica

    29/03/2011 15h30

    O Rio de Janeiro da animação Rio, maior lançamento da 20th Century Fox – mil salas – aqui no Brasil, tem um quê de terra que naturalmente convoca quem vem de fora a se deixar levar pela música, pelo calor. Um clima meio Feitiço do Rio, mas que também deve à ode ao carnaval das chanchadas em filmes como Aviso aos Navegantes.

    Acredito que parte do tom vem dos roteiristas, todos americanos egressos da comédia. O restante está mais ligado ao olhar de Carlos Saldanha, autor da história original. Rio beira a perfeição técnica, tem sequências bonitas, trechos emocionantes e momentos inteligentes dos personagens. Porém, o que me incomoda, impedindo uma relação mais carinhosa e não tão distanciada com o filme é justamente o clima de Rio de Janeiro como a terra da alegria irrestrita.

    Esta nova animação do diretor de A Era do Gelo 3 começa com muita beleza e cor. Dezenas de espécies de pássaros estão espalhadas pelas árvores tendo o Pão de Açúcar como pano de fundo. Sambam e requebram, cada um responsável por uma composição da bateria. Uma minúscula arara-azul assiste a tudo escondida num tronco de árvore, com seus lindos e grandes olhos. No meio do ziriguidum, o clima muda: gaiolas aprisionam os raros animais, que serão traficados para algum país. Começa Rio.

    No enredo, Blu (voz de Jesse Eisenberg) é uma arara-azul criada pela jovem Linda (Leslie Mann) na friorenta Minnesota, Estados Unidos. Uma ave atípica que não voa, adora chocolate quente e tem larga habilidade com as patas. A rotina dos dois é interrompida pela visita do biólogo Túlio (Rodrigo Santoro). Blu precisa ir ao Rio de Janeiro e se reproduzir com a única fêmea restante da espécie, Jade (Anne Hathaway). Arara, dona e biólogo chegam à cidade em pleno Carnaval. Começam as aventuras.

    À parte do que é facilmente elogiável (a reconstituição das belezas naturais da cidade e a bela textura da arara-azul, fofa com suas penas), Rio lida de maneira inteligente com a obrigação masculina em liderar o jogo da conquista. Quando chega na cidade e conhece Jade, Blu precisa cortejá-la para que a tão necessitada reprodução da espécie ocorra, certo? Mas como fazer isso com tamanha timidez?

    Em seus melhores momentos, Rio alcança a acidez de diálogo e técnica de Toy Story 3, assim como a magia de Miyazaki em A Viagem de Chihiro. Nos momentos menos interessante, repete estereótipos. No geral, um filme bem cuidado, que felizmente não repete de maneira esvaziada o discurso apolítico da preservação da natureza.

    Ainda assim, inferior à animação anterior de Saldanha, A Era do Gelo 3.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus