S.W.A.T. - COMANDO ESPECIAL

S.W.A.T. - COMANDO ESPECIAL

(S.W.A.T.)

2003 , 117 MIN.

Gênero: Ação

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Clark Johnson

    Equipe técnica

    Roteiro: David Ayer, David McKenna

    Produção: Chris Lee, Neal H. Moritz

    Fotografia: Gabriel Beristain

    Trilha Sonora: Elliot Goldenthal

    Estúdio: Columbia Pictures Corporation

    Elenco

    Colin Farrell, Jeremy Renner, Josh Charles, LL Cool J, Michelle Rodriguez, Samuel L. Jackson

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Dentro da atual moda do cinema americano de transformar em longas metragens alguns dos mais cultuados seriados de televisão dos anos 60 e 70, chega à tela grande outro sucesso antigo da tela pequena: S.W.A.T. Em tempos de violência urbana crescente, a adaptação até que poderia ser oportuna. Porém, a história - fraca - não ajudou.

    O roteiro se perde tentando contar várias tramas ao mesmo tempo, expediente não muito bem-vindo a um filme que teoricamente se propõe a priorizar a ação, a aventura e o tiroteio. Tudo começa quando o alto comando da S.W.A.T. (um esquadrão de elite da polícia norte-americana) decide trazer de volta o veterano Sargento Hondo (Samuel L. Jackson, a melhor coisa do filme) para capitanear um dos esquadrões. O motivo é meio difícil de engolir: argumenta-se que a S.W.A.T. está tendo um problema de imagem, por ser violenta demais, e que o retorno de um comandante dos tempos mais "românticos" ajudaria a acalmar a mídia. No mínimo, mal contado. Junte-se a isso a estranha chegada aos EUA de um criminoso internacional, que comete um brutal assassinato mas vai para a cadeia por causa de uma lanterna queimada no seu carro. E uma sub-trama que envolve a briga e a vingança entre dois colegas de pelotão. De alguma forma, todas estas pontas soltas irão ser explicadas até o final, mas até lá o espectador se dispersa facilmente, já que tudo é mal amarrado pela direção insegura de Clark Johnson, um diretor eminentemente televisivo.

    O maior erro de S.W.A.T., porém, é não utilizar com eficiência oi inesquecível e marcante tema musical de abertura do seriado. Ele entra tímido, em poucas cenas, sem o impacto que mereceria na telona. É uma pena.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus