SCOOBY-DOO

SCOOBY-DOO

(Scooby-Doo)

2002 , 87 MIN.

anos

Gênero: Aventura

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Raja Gosnell

    Equipe técnica

    Roteiro: Chuck Roven, James Gunn

    Produção: Charles Roven

    Fotografia: David Eggby

    Trilha Sonora: Chris Ballew, David Newman

    Estúdio: Warner Bros

    Elenco

    Freddie Prinze Jr., Isla Fischer, Linda Cardellini, Matthew Lillard, Rowan Atkinson, Sarah Michelle Gellar, Scott Innes

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Há mais coisas entre a qualidade e a bilheteria do que sonha nossa vã filosofia. Ou, em outras palavras, o que pode justificar o fraquíssimo filme Scooby-Doo ter arrecadado mais de US$ 250 milhões (por enquanto) nos cinemas do mundo? Talvez nem o Sombra saiba. O filme parece um parque temático transposto para o celulóide: colorido, agitado, barulhento e sem nenhuma história para contar. Tudo começa com uma cisão no grupo Mystery Inc., especializado na eliminação de fantasmas. Fred (Freddie Prinze Jr.), Daphne (Sarah Michelle Gellar), Velma (Linda Cardellini) e Salsicha (Matthew Lillard, de 13 Fantasmas) se separam por causa da falta de humildade de Fred, que teima em não dar importância aos eficientes planos de Velma. Porém, um misterioso convite para uma viagem a uma ilha paradisíaca faz com que os quatro se reencontrem e redescubram as vantagens e os prazeres de se trabalhar em equipe. Antes, porém, eles passarão por uma série de encrencas, confusões e – claro – falsos fantasmas devidamente desmascarados, marca registrada dos desenhos que inspiraram o filme.

    Aliás, só mesmo a fama obtida durante as décadas que o desenho se mantém em exibição pelas TVs do mundo inteiro pode justificar o sucesso do filme. Com um roteiro pra lá de fraco, direção de arte exaustiva de tão exagerada, e um Scooby-Doo 100% virtual (e sem graça), o filme é um martírio para os pais que certamente levarão seus filhos nos cinemas, a partir deste final de semana. Deve ser uma tarefa difícil até para as crianças já maiorzinhas e já mais exigentes.

    Mesmo assim, uma seqüência já está prevista para 2004. Faturar é preciso.


    4 de outubro de 2002

    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus