SETE VIDAS

SETE VIDAS

(Seven Pounds)

2008 , 125 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia: 25/12/2008

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Gabriele Muccino

    Equipe técnica

    Roteiro: Grant Nieporte

    Produção: James Lassiter, Jason Blumenthal, Steve Tisch, Todd Black, Will Smith

    Fotografia: Philippe Le Sourd

    Trilha Sonora: Angelo Milli

    Elenco

    Barry Pepper, Madison Pettis, Rosario Dawson, Sarah Jane Morris, Will Smith, Woody Harrelson

  • Crítica

    25/12/2008 00h00

    Poucos atores têm a capacidade de transformar um filme irregular em suportável e um filme regular em interessante. Um deles é Will Smith, ao qual Sete Vidas deve boa parte de sua qualidade dramática.

    Se o diretor Gabriele Muccino, em seu trabalho anterior, À Procura da Felicidade, deu tudo de mão beijada ao espectador, em Sete Vidas desenvolve uma história cujo roteiro é mais elaborado e com menos situações estapafúrdias. Algo horrível aconteceu no passado do agente da Receita Federal Ben Thomas (Smith) que faz com que, estranhamente, ele passe a dar pesos diferentes às pessoas que teria de fiscalizar. Se o cidadão é bom, dá um desconto e releva. Se é mau caráter, encontra a maior punição possível.

    Não se sabe o que aconteceu de tão grave que impede um sorriso sequer de Ben, mas constantemente ele tenta salvar desconhecidos. O rapaz carrega uma culpa e o máximo que o filme dá ao espectador são flashes de algum evento trágico. O personagem de Smith é o condutor do filme. Em torno de sua figura decorrem todas as ações (o auxílio a uma imigrante espancada pelo namorado, a doação de medula a um garoto, entre outras). A mais importante delas se desenvolve quando a bela e frágil Emily (Rosario Dawson) aparece em seu caminho. Deste encontro surge a maior redenção de Ben.

    O longa transita em uma complicada fronteira entre drama e melodrama. Por vezes, a história parece cair num conceito vazio do "fazer o bem", mas volta para uma segurança dramática que dialoga de maneira eficaz com as emoções do espectador. Ben Thomas não é um herói, pelo contrário, foi responsável por um episódio terrível e busca corrigir seu erro e curar o trauma salvando desconhecidos.

    Em Sete Vidas, o diretor italiano Gabriele Muccino deixou a postura de estrangeiro vislumbrado com o self-made man norte-americano e apostou em um drama humano: um homem culpado que busca a redenção. Então, restou apenas a Will Smith, que encarna esse personagem, desenvolver sua atuação contida, condensando sentimentos guardados que, quando tocados, doem tal qual uma ferida exposta.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus