Setenta

SETENTA

(Setenta)

2014 , 96 MIN.

12 anos

Gênero: Documentário

Estréia: 29/05/2014

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Emilia Silveira

    Equipe técnica

    Roteiro: Sandra Moreyra

    Produção: Cavi Borges, Emilia Silveira, Jom Tob Azulay, Sandra Moreyra

    Fotografia: Cecilia Figueiredo, Vinícius Brum, Vinicius Charret

    Trilha Sonora: Fabio Mondego

    Estúdio: Canal Brasil, Cavídeo, Globo Filmes

    Montador: Joana Collier

    Distribuidora: Livres Filmes

  • Crítica

    24/05/2014 17h06

    Fonte inegável de informação, livros acadêmicos sofrem da dificuldade em humanizar personagens. Documentários como Setenta, por outro lado, podem não se aprofundar muito em meandros históricos, mas certamente compensam a superficialidade inevitável com a força das imagens. Nomes viram gente de carne e osso e estes contam sua história, nossa história.

    Eles são 18 entrevistados do grupo de 70 combatentes da ditadura brasileira trocados pelo terceiro embaixador sequestrado no Rio de Janeiro, o suíço Giovanni Enrico Bucher, em 7 de dezembro de 1970. Presos políticos de diferentes organizações, são enviados ao Chile. Setenta os reencontra 40 anos depois e, por meio de depoimentos, faz um panorama da repressão e violência no Brasil da época.

    Dirigido por Emília Silveira, Setenta tem estrutura narrativa clássica intercalando depoimentos com fotos de arquivos pessoais, recortes de jornais e imagens de outros docs., como Dora: Quando Chegar O Momento, de Luiz Alberto Sans e Lars Safstron; Batismo de Sangue, de Helvécio Ratton; Brazil: A Report on Torture, de Haskell Wexter e Saul Landau, entre outros. O conjunto, muito bem montado, ambienta o espectador na época dos acontecimentos e revela motivações, agruras e os ideias que moviam esses jovens.

    Após o golpe militar que derrubou Salvador Allende, parte dos exilados foge do Chile dominado por Pinochet e vão para a Europa, se refugiando em diferentes países, como Alemanha, Bélgica, Suécia e França. Entre estes estão Maria Auxiliadora Lara Barcelos (Dora) e Frei Tito, que abalados emocionalmente pela tortura sofrida no Brasil e sem suportar o exílio, suicidam-se em terras estrangeiras.

    Além de ajudar a contextualizar os acontecimentos da época, esses homens e mulheres que combateram a ditadura, sonhando com um mundo melhor, avaliam seus ideais e aspirações daqueles tempos sob o olhar maduro dos dias de hoje. Admitem certa ingenuidade e romantismo, mas também a necessidade de não ficarem passivos diante de um país privado de sua liberdade.

    Affonso e Mara Alvarenga, Marco Maranhão, Jean Marc Van der Weid, Elinor Brito, Nancy Mangabeira Unger, René de Carvalho, Reinaldo Guarany, Vera e Bruno Dauster, Wilson Barbosa, Ismael de Souza, entre outros, seriam apenas nomes disposto no papel, como o são aqui na tela. Em Setenta viram gente palpável, com sentimentos, emoções e contrariedades.

    Humanizando esses personagens, o bom documentário não só resgata um momento importante de nossa história, mas dá cara, voz e coração a ele. Um filme essencial para se entender aquele momento, principalmente para os que tiveram a sorte de não viver os chamados anos de chumbo.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus