poster do filme slender man - pesadelo sem rosto

SLENDER MAN - PESADELO SEM ROSTO

(Slender man)

2018 , 93 MIN.

12 anos

Gênero: Horror

Estréia: 23/08/2018

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Sylvain White

    Equipe técnica

    Roteiro: David Birke, Victor Surge

    Produção: Andrea Ajemian, Bradley J. Fischer, James Vanderbilt, Robyn Meisinger, Sarah Snow, William Sherak

    Fotografia: Luca Del Puppo

    Trilha Sonora: Brandon Campbell, Ramin Djawadi

    Estúdio: Madhouse Entertainment, Mythology Entertainment

    Montador: Jake York

    Distribuidora: Sony

    Elenco

    Adrian M. Mompoint, Alex Fitzalan, Angela Hope Smith, Annalise Basso, Damon D'Amico Jr, Javier Botet, Jaz Sinclair, Jeffrey Corazzini, Jessica Blank, Joey King, Julia Goldani Telles, Kallie Tabor, Kayla Caulfield, Kevin Chapman, Kris Sidberry, Michael Reilly Burke, Michael Tow, Miguel Nascimento, Oscar Wahlberg, Remington Keyes, Taylor Richardson

  • Crítica

    22/08/2018 14h25

    Por Thamires Viana

    Os fãs de filmes de terror geralmente são exigentes e há quem diga que está cada vez mais difícil ser surpreendido com as novidades que chegam aos cinemas. Embora o público ainda se sinta mais entretido com os tradicionais jumpscares, alguns títulos do chamado "novo terror", que apela para o psicológico, podem agradar.

    É o caso de Slender Man - Pesadelo Sem Rosto, longa dirigido por Sylvain White (Os Perdedores) que, apesar de todas as controvérsias, chega aos cinemas nesta quinta-feira (23). É claro que os sustos baratos e clichês ainda estão presentes quando a entidade aparece atrás de uma porta ou quando coloca suas mãos no ombro de alguém. Mas também há momentos em que a inquietude psicológica toma conta da trama e o espectador sentirá uma pontada incômoda no final do filme com esse misto de emoções.

    Antes de qualquer coisa, é preciso saber quem é o personagem magro, alto e que circula de terno e gravata. O "homem sem rosto" ficou famoso na internet após ter sido criado por um americano em um programa de edição de imagens e compartilhado em um fórum. Desde então, jovens de todas as partes do mundo afirmaram ter visto o monstro, se comunicado com ele e, pior de tudo, feito coisas a mando da criatura. Um desses casos bizarros aconteceu nos Estados Unidos quando em 2014 duas jovens de 12 anos esfaquearam 19 vezes uma outra adolescente, induzidas pelo Slender Man.

    Foi por esse motivo que a produção não foi bem vista pelo público em geral. Os pais da vítima chegaram a pedir o boicote do filme, alegando que a história contada na grande tela geraria incômodo em quem sobreviveu à uma tragédia que carrega o nome da lenda. Mas vale lembrar que apesar de tratar da história do personagem, a trama se distancia do crime cometido na vida real evitando inserir assassinatos e optando por algo mais sobrenatural.

    O filme traz quatro amigas - Wren (Joey King), Chloe (Jaz Sinclair), Hallie (Julia Goldani Telles) e Katie (Annalise Basso) - que decidem invocar a criatura após colegas de classe "amarelarem" com a ideia. No porão da casa de uma delas, o grupo assiste a um vídeo e segue à risca os comandos para conseguir se comunicar com a entidade. No entanto, Katie é a mais prejudicada pela brincadeira. Dias depois, durante uma excursão escolar, ela desaparece sem deixar nenhum vestígio. O que todos na cidade acreditavam ser um sequestro se torna um grande tormento para o resto do grupo de amigas que liga o sumiço com a invocação.

    Das jovens você saberá pouco, já que o roteiro assinado por David Birke e Victor Surge evita se aprofundar muito nas personagens, e esse é o grande erro do filme. É mostrado apenas que elas se conhecem da escola, andam juntas a maior parte do tempo e que Katie é fanática com a ideia de sair da cidade para começar uma vida nova. Se pensarmos que o grande foco do filme é nos apresentar a maldição do Slender Man, entendemos esse direcionamento do roteiro, certo? Bom, nem tanto. É que nem mesmo a criatura tem seu aproveitamento merecido, já que nada é citado sobre as origens da entidade. E o ator que dá vida ao monstro, Javier Botet, também não faz lá sua presença brilhante, exceto pela aparição em uma cena de hospital. Na maior parte do tempo o Slender é tomado pelos efeitos visuais.

    Mas calma, nem tudo é assim tão entregue ao marasmo. Há coisas boas que completam a trama, como a atuação de King. A garota conhecida por Invocação Do Mal, 7 Desejos e o mais recente Barraca do Beijo, rouba a cena como a jovem preocupada que precisa trazer a amiga de volta. É ela quem movimenta a trama quando parte em buscas de respostas para saber o que de fato aconteceu com Katie. Ouso até dizer que, se a personagem não tomasse esse caminho, talvez a história perdesse seu ponto mais interessante.

    Outra coisa boa é que a história do desaparecimento se mantém durante todo o filme, mesmo quando as outras garotas passam a sofrer com os efeitos da invocação. Nesse ponto, dá um alívio saber que a trama se preocupa em dar as respostas que o espectador quer saber sobre o destino da garota. Katie, apesar de não ter presença física constante, é citada durante todo o decorrer da história e tem seu final esclarecido.

    Mas tudo bem, eu sei que você quer mesmo saber de sustos e posso te garantir que alguns te farão pular da cadeira, enquanto outros te farão suar frio. Em uma cena inquietante, Wren está na biblioteca buscando mais informações sobre os eventos sobrenaturais que passam a atormentá-la. Eis que ele aparece da forma mais cruel possível e a tomada tem em média uns 3 minutos de pura tensão, gritos e desconforto. E algumas outras cenas vão pelo mesmo caminho, segurando o espectador na cadeira com longas sequências traumáticas.

    Slender Man - Pesadelo Sem Rosto não é o melhor filme do gênero e nem o mais apavorante. No entanto, mesmo que peque em alguns pontos, ele entrega o que promete e se isenta da culpa de trazer a tragédia para as telas, já que apenas conta uma história fictícia usando como base a lenda popular na cultura americana. É um filme que incomoda por seus sustos e que promete agradar os mais desapegados de uma trama intacta. 

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus