Críticas

Veja o que esperar das novidades nas telonas e estreias com os comentários da nossa equipe especializada.

T2 TRAINSPOTTING

(T2 Trainspotting, 2017)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa
24/03/2017 14h42
por Julia Viana

Trainspotting - Sem Limites é um dos filmes britânicos mais icônicos já feitos e se você não o assistiu, esqueça! T2 não fará sentido. E se você tinha expectativas de ver uma produção sobre "Pornô", a obra escrita por Irvine Welsh que em teoria inspirou o filme, é preciso deixar isso pra lá quase todo o tempo. Feitos esses avisos, posso dizer: o filme é foda!

Desde as referências a Laranja Mecânica e a O Iluminado que correm soltas, aquecendo o coração de quem gosta de cinema, até elementos do filme original que nos deixam com aquele sorrisinho de canto de boca, certamente o ponto principal do filme é a identificação do espectador com tudo aquilo que ama.

Os mais emotivos vão beirar as lágrimas. Por causa do drama? Não. Pela pura nostalgia do filme, mais uma vez sob o comando de Danny Boyle, que marcou uma geração inteira nos anos 90. Tem flashback, tem citação, tudo para agradar aos fãs. E o longa sempre cumpre o que promete.

A trama trata dos mesmos personagens de Trainspotting de 1996, mas sem o tom de revolta e insubordinação do primeiro, e isso não é um problema. A história ganha menos destaque que as narrativas pessoais, que por sua vez ganham espaço para aprofundar cada um dos personagens – algo que o experiente elenco encara com maestria.

Spud (Ewen Bremner), narrador das histórias do grupo nos livros (e escritor também no filme), continua aquele cara do bem que tanto adoramos. Ao longo de 20 anos, ele tenta trabalhar e ficar perto do filho, ao mesmo tempo em que luta para se livrar do vício.

Simon (Jonny Lee Miller) continua nas drogas (trocou a heroína por cocaína) e puto por ter sido roubado. Até fisicamente, ele foi o que mais "parou no tempo" entre todos os caras. Begbie (Robert Carlyle) passou um tempo na prisão e não está nada feliz e Renton (Ewan McGregor), novamente, é o ponto central das histórias. O quarentão, agora saudável, volta à Escócia depois de um pé na bunda e acaba encontrando seus velhos "amigos". A forma como ele tenta fazer as pazes com o passado é um dos pontos altos do longa.

Duas décadas depois, os personagens abraçam a nova missão de ajudar Sick Boy a transformar seu bar em um bordel com o mesmo frescor da primeira vez em que decidiram fazer algo juntos. Assim como Veronika (Anjela Nedyalkova), nova personagem da trama, que agrega muito à história, seja para mostrar o quanto os protagonistas estão velhos, seja para, enfim, dar um caminho novo à história desses interessantes personagens.

T2 Trainspotting é inteligente mesmo abusando da nostalgia sem sentido. Foca na melancolia do passado e mostra a evolução de personagens icônicos de forma natural, por isso funciona tão bem.

CRÍTICAS RELACIONADAS

RÉQUIEM PARA UM SONHO
CIDADE DE DEUS

amelie

Julia Viana

Redatora

Não pode esquecer o lencinho quando vai ao cinema.

FAVORITAR

crítica NÃO FAVORITADA

COMPARTILHE:

COMENTAR

comments powered by Disqus