TENTAÇÃO

TENTAÇÃO

(We Don't Live Here Anymore)

2004 , 101 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • John Curran

    Equipe técnica

    Roteiro: Larry Gross

    Produção: Harvey Kahn, Jonas Goodman, Naomi Watts

    Fotografia: Maryse Alberti

    Trilha Sonora: Lesley Barber

    Elenco

    Amber Rothwell, Haili Page, Jennifer Bishop, Jim Francis, Laura Dern, Mark Ruffalo, Naomi Watts, Peter Krause, Sam Charles

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Terry que amava Jack, que amava Edith, que amava Hank que amava todo mundo... A paródia de Drummond ilustra bem a trama de Tentação, surpreendente "tradução" brasileira para o título We Don't Live Here Anymore (não moramos mais aqui).

    Reflexivo e introspectivo, o filme mostra um quadrilátero amoroso nascido em meio ao cotidiano mediano de dois casais perdidos em algum lugar do interior dos EUA. Ou do Canadá. Não importa, é por ali. Jack (Mark Ruffalo, de Em Carne Viva) mantém um caso com a bela Edith (Naomi Watts, de O Chamado), amiga de sua esposa Terry (Laura Dern, de Parque dos Dinossauros). Para piorar a situação, Edith é casada com Hank (Peter Krause, da série A Sete Palmos), melhor amigo de Jack. A traição é dupla. E, com o tempo, será quádrupla.

    Ambos os casais se mostram tristes, incompletos. Os filhos sinalizam a desagregação familiar com cenas de tédio explícito. O sexo surge no relacionamento também de maneira entristecida, às vezes sob a forma de obrigação matrimonial, outras como simples válvula de escape, ou - pior ainda - como instrumento de posse, dominação e "marcação de território". A cidade é pequena, as emoções são grandes, o transbordamento é inevitável. Mas nada hollywoodiano. Felizmente. Aliás, com tanta gente fumando e os homens sempre com a barba por fazer, Tentação é o cinema americano tentando ser francês.

    Tentação carrega o típico espírito do filme independente norte-americano (inclusive tendo o seu roteiro premiado em Sundance), no qual as emoções sinceras se sobrepõem ao espetáculo. Trata-se do filme ideal para quem faz terapia de casal. Ou deveria fazer.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus