TERAPIA DO AMOR

TERAPIA DO AMOR

(Prime)

2005 , 105 MIN.

12 anos

Gênero: Comédia Romântica

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Ben Younger

    Equipe técnica

    Roteiro: Ben Younger

    Produção: Jennifer Todd, Suzanne Todd

    Fotografia: William Rexer

    Trilha Sonora: Ryan Shore

    Estúdio: Universal Pictures

    Distribuidora: UIP

    Elenco

    Bryan Greenberg, Jerry Adler, Jon Abrahams, Meryl Streep, Naomi Aborn, Uma Thurman

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Tão clichê quanto o roteiro da maioria das comédias românticas é dizer que elas costumam ser previsíveis demais. Por isso, poucas surpresas são tão gratificantes quando assistir a uma comédia romântica realmente honesta sobre a efemeridade dos relacionamentos como Terapia do Amor. De uma forma leve e descompromissada, a produção é capaz de arrancar um sorriso do espectador simplesmente apostando na fórmula dos "opostos que se atraem", mas não são, necessariamente, felizes para sempre. Essa honestidade da produção é seu ponto forte.

    Rafi (Uma Thurman) acaba de assinar os papéis do divórcio e está arrasada. Lisa (Meryl Streep) é sua psicóloga e ouve todos os problemas da protagonista. Aos 37 anos, Rafi vê indo embora não somente o casamento, mas a última chance que tem para ter um filho. Até que ela conhece Dave (Bryan Greenberg). Aspirante a artista, ele é gentil, belo e engraçado. Mas, como sempre acontece, existe um problema: Dave tem 23 anos. Apesar do carinho que existe entre os dois, o relacionamento - que já é difícil, como qualquer relação - encontra diversos obstáculos para seguir em frente, como o fato dele ser de família judaica e, claro, a diferença de idade. Afinal, o futuro é incerto para casais que têm 14 anos de diferença. Mas um detalhe (o qual prefiro não revelar) pode comprometer fatalmente esse romance.

    O interessante é que Terapia do Amor não mostra somente as conseqüências do namoro entre os protagonistas, mas também como isso impacta em seu círculo social, envolvendo amigos e familiares. Afinal, qualquer namoro também tem como base a forma como os envolvidos interagem com a sociedade. Engraçado, irônico, com uma direção que valoriza também os ambientes nova-iorquinos e cosmopolitas pelos quais os personagens transitam, o filme conta com uma deliciosa trilha sonora que vai de jazz a Rufus Wainwright, passando por rap.

    Terapia do Amor é um filme que parece ser óbvio, desde a sinopse até o trailer. Mas é o tipo de produção que cresce na medida em que caminha ao final e mostra-se menos comum do que parecia ser.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus