TERRA DE NINGUÉM (2001)

TERRA DE NINGUÉM (2001)

(No Man's Land)

2001 , 98 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Danis Tanovic

    Equipe técnica

    Roteiro: Danis Tanovic

    Produção: Cédomir Kolar, Dunja Klemenc, Frédérique Dumas-Zajdela, Igor Pedicek, Marc Baschet, Marion Hänsel

    Fotografia: Walther van den Ende

    Trilha Sonora: Emanuela Di Giunta

    Elenco

    Alain Eloy, Branko Djuric, Filip Sovagovic, Katrin Cartlidge, Mustafa Nadarevic, Rene Bitorajac, Sacha Kremer, Simon Callow

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Uma verdadeira força multinacional européia, formada por Bósnia, Eslovênia, Bélgica, França, Itália e Inglaterra, une seus esforços para produzir um filme que critica abertamente a ação das Nações Unidas na Guerra da Bósnia. O resultado é Terra de Ninguém, uma irresistível comédia de humor negro que cinéfilo nenhum deve perder.

    Após um pesado tiroteio deflagrado sob uma densa neblina, um soldado sérvio e um bósnio acabam dividindo uma mesma trincheira. Os dois receiam abandonar o lugar, pois tropas de ambos os lados estão posicionadas a poucos metros dali. Para piorar a situação, dentro da mesma trincheira há um outro soldado, totalmente imobilizado por uma mina de fragmentação: se ele se mover, a bomba explode. Acionar as forças de paz da ONU parece ser a única solução para o impasse. Grande engano. A incompetência e a vaidade dos altos escalões das Nações Unidas só vão contribuir para que a situação se transforme num circo de horrores.

    O cineasta bósnio Danis Tanovic, que além de dirigir e roteirizar também compôs a trilha sonora do filme, conseguiu realizar uma difícil tarefa: harmonizar os mais cômicos momentos com as mais dramáticas situações. Terra de Ninguém flutua entre o choro e o riso com impressionante desenvoltura. Cria personagens ricos e humanos, toca sem cerimônia na ferida da incompetência da ONU, denuncia a imbecilidade da guerra, critica a ação da mídia e, tudo isso, sem deixar de salientar um dos principais (e mais tristes) pontos do conflito: naquela ou em qualquer outra trincheira, sérvios e bósnios são irmãos, amigos, vizinhos.

    Pelo tema, pela ironia e pelo sarcasmo. Terra de Ninguém lembra outra excelente comédia dramática de guerra: O Trem da Vida.

    Não por acaso, o filme vem colecionando cada vez mais prêmios internacionais. Entre eles, Melhor Roteiro em Cannes, Melhor Filme pelo júri popular da Mostra Internacional de São Paulo, além do Globo de Ouro e do Satélite de Ouro de melhor produção estrangeira.

    Imperdível.

    22 de janeiro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus