TIME - O AMOR CONTRA A PASSAGEM DO TEMPO

TIME - O AMOR CONTRA A PASSAGEM DO TEMPO

(Time/ Shi gan)

2006 , 97 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Kim Ki-duk

    Equipe técnica

    Roteiro: Kim Ki-duk

    Produção: Ki-duk Kim

    Fotografia: Jong-moo Sung

    Trilha Sonora: Noh Hyung-woo

    Elenco

    Ha Jung-woo, Park Ji-Yeon, Seo Yeong-hwa, Seong Hyeon-a

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O trabalho do cineasta coreano Kim Ki-Duk é marcado pela contemplação estética. Seus filmes têm poucos diálogos, fazendo com que as tramas sejam conduzidas pelas imagens. Nos últimos anos, três de seus filmes foram lançados nos cinemas brasileiros: Primavera, Verão, Outono, Inverno... E Primavera (2003), Casa Vazia (2004) e O Arco (2005). Time - O Amor Contra a Passagem do Tempo é o mais recente de Ki-Duk. E, para quem aprecia os filmes anteriores do cineasta, a má notícia é que esta produção não tem muito a ver com o cinema que o consagrou. Mais palatável, o drama chega a ter toques de comédia (sem a pretensão disso).

    O subtítulo que o filme ganhou em seu circuito no Brasil, "O Amor Contra a Passagem do Tempo", é bastante explicativo em relação à trama, que gira em volta de Se Hee (Sung Hyun Ah) e Ji Woo (Ha Jung Woo). Eles formam um jovem casal em crise. Na verdade, quem passa por isso é ela. Insegura, não pára de ter irritantes crises de ciúmes e de questionar o amor do namorado, que tenta fazer com que a garota fique segura em relação ao seu amor. Mas as palavras de Ji Woo não funcionam muito e ela, acreditando que o amado está cansado de sua aparência após anos de namoro, resolve fazer uma radical transformação facial para reconquistar o amor que, na verdade, não foi perdido. A decisão, no entanto, acaba com as poucas faíscas de romance entre o casal e ainda desencadeia uma série de confusões. Portanto, o filme é sobre dois jovens que tentam lutar contra a passagem do tempo, cada um de sua forma, para evitar o desgaste do amor que sentem um pelo outro.

    No roteiro, Time - O Amor Contra a Passagem do Tempo está longe de ser um filme com a marca de Kim Ki-Duk, mas ela transparece na direção, que aproveita muito bem as locações. A forma como o filme é desenvolvido é interessante, especialmente por sua premissa, a radicalização dos atos na busca pelo amor idealizado e eterno. No entanto, os personagens são rasos. As intenções dos personagens são nobres, mas seus atos são superficiais, conduzindo o filme num caminho perigoso. As situações ridículas nas quais são colocados os personagens acabam levando o longa a um desfecho completamente sem explicação e confuso. No final, o espectador se pergunta: "Para quê isso tudo?".

    A intenção, na verdade, parece ser clara: o filme questiona o amor da forma superficial que muitos vêem. A superficialidade da protagonista, que não acredita no namorado quando ele lhe diz que a ama e resolve "trocar" de rosto para manter esses sentimentos, é abominável e é esse o alvo de crítica em Time - O Amor Contra a Passagem do Tempo. Por mais estranho que possa parecer, o fato do filme ser dirigido por Kim Ki-Duk é o que mais decepciona. Por tentar claramente produzir algo mais palatável, visando a conquista de novos espectadores, o cineasta acaba fazendo com que as características de seu trabalho sejam diluídas.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus