TUDO BEM, ATÉ LOGO

TUDO BEM, ATÉ LOGO

(Tout Va Bien, On s'En Va)

2000 , 96 MIN.

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Claude Mouriéras

    Equipe técnica

    Roteiro: Claude Mouriéras

    Produção: Jean-Michel Rey, Philippe Liégeoi

    Fotografia: William Lubtchansky

    Trilha Sonora: Brigitte Taillandier, Jean-Pierre Duret

    Elenco

    Caroline Pili, Hubert Koundé, Laurent Poitrenaux, Marcial Di Fonzo Bo, Michel Piccoli, Miou-Miou, Natacha Régnier, Sandrine Kiberlain

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Os filmes franceses são famosos por mostrarem "pedaços da vida", pequenos e singelos retratos do cotidiano que muitas vezes não seguem os tradicionais roteiros formais com "começo, meio e fim". Tudo Bem, Até Logo é mais um claro exemplo deste estilo tipicamente francês.

    A trama mostra as irmãs Laurie (a já veterana Miou Miou, de As Loucas Aventuras de Rabbi Jacó), Béatrice (Sandrine Kmberlain) e Claire (Natacha Régnier, revelação de A Vida Sonhada dos Anjos) que levam suas vidas até certo ponto tranqüilas, na cidade de Lyon. O pacífico cotidiano das três é abalado repentinamente com a inesperada visita do pai delas, Louis (o veterano Michel Piccoli, com quase 200 filmes em sua carreira), desaparecido há 15 anos. Cada irmã vai reagir ao fato de maneira diferente e muito particular.

    Escrito e dirigido com extrema sobriedade por Claude Mouriéras, o filme tem o grande defeito de não emocionar. Apesar do ótimo desempenho de todo o elenco, tudo se passa na tela de forma fria, distante, sem conseguir arrebatar o interesse do espectador. Um trabalho apenas burocrático, dispensável.

    29 de outubro de 2001
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus