TYSON

TYSON

(Tyson)

2008 , 90 MIN.

14 anos

Gênero: Documentário

Estréia: 29/01/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • James Toback

    Equipe técnica

    Roteiro: James Toback

    Produção: Damon Bingham, Harlan Werner, James Toback, Mike Tyson

    Fotografia: Larry McConkey

    Estúdio: Wild Bunch

    Distribuidora: Califórnia Filmes

    Elenco

    Desiree Washington, Don King, Evander Holyfield, James "Buster"Douglas, Mike Tyson e imagens de arquivo de Cus D'Amato

  • Crítica

    27/01/2010 14h36

    Se tivesse que destacar o principal mérito de Tyson, apontaria a capacidade do filme em mudar completamente (para melhor) a visão que temos do campeão pesos pesados mais jovem da história.

    Qual a razão para isso? O fato de o diretor James Toback não escolher entrevistados que se posicionem a favor do Kid Dynamite. Não há esposa, pais, filhos, ex-técnicos, ninguém em frente à câmera para defender que Tyson foi injustiçado e que a sociedade nunca o compreendeu. É apenas ele e a câmera, nada mais.

    O duelo é entre os dois e o mais assustador é a franqueza de Tyson. Fala com extrema animosidade do período em que foi agenciado por Don King, utilizando palavrões dos mais variados; com o mesmo vocabulário descreve Desiree Washington, que o levou à condenação por estupro, e nega com veemência a culpa.

    Com candura oposta, relembra o homem que o descobriu e o colocou no caminho das vitórias, Cus D’Amato – que no passado aconselhara Muhammad Ali em um combate com George Foreman. Aquele mesmo homem que detém o recorde de nocaute mais rápido da história, com 8 segundos de luta, fala com extremo carinho de seu mentor.

    Em Tyson, Michael Gerard Tyson apresenta-se como um ser humano comum, repleto de contradições. Desvela o caos que reina em sua cabeça e, ao mesmo tempo, mostra como a determinação e a disciplina no estudo do boxe o levaram ao topo no fim dos anos 80. Enxergamos um homem além da fachada de músculos.

    Assistir ao filme me fez pensar em duas situações ao longo de sua vida: e se Cus D’Amato não tivesse morrido em 1985, Tyson teria negligenciado sua carreira? E se ele não tivesse sido preso em 1992? Impossível prever, mas talvez ele teria chegado ao mesmo nível de excelência de Ali.

    É a mesma sensação de assistir a Maradona e pensar o que jogador argentino teria sido se não vivesse com cocaína no sangue mesmo durante um longo período, até mesmo no auge. Uma vida marcada pelo “se”.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus