UM AMOR PARA TODA A VIDA

UM AMOR PARA TODA A VIDA

(Closing the Ring)

2007 , 119 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia: 30/05/2008

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Richard Attenborough

    Equipe técnica

    Roteiro: Peter Woodward

    Produção: Jo Gilbert, Richard Attenborough

    Fotografia: Roger Pratt

    Trilha Sonora: Jeff Danna

    Elenco

    Brenda Fricker, Christopher Plummer, Gregory Smith, John Travers, Martin McCann, Mischa Barton, Pete Postlethwaite, Shirley MacLaine, Stephen Amell

  • Crítica

    30/05/2008 00h00

    A expectativa era grande para o filme Um Amor para Toda a Vida. Afinal, o premiado cineasta Richard Attenborough, de Gandhi e Chaplin, ainda não havia dirigido nenhum filme neste século. Seu trabalho mais recente era O Guerreiro da Paz, de 1999. E mais: para seu novo trabalho, Attenborough havia conseguido um elenco de qualidade e peso, com direito a Shirley MacLaine, Christopher Plummer, Neve Campbell e Brenda Fricker. Infelizmente, porém, as expectativas foram frustradas: Um Amor para Toda a Vida não faz jus à fama e ao talento do diretor e do seu elenco.

    O roteiro de Peter Woodward (mais conhecido como ator de TV do que propriamente como roteirista) é inspirado na situação real ocorrida durante a Segunda Guerra Mundial, quando mais de 300 mil militares americanos foram alocados ou passaram pela Irlanda do Norte. Em 1º de junho de 1944, dez desses jovens militares morreram quando um avião B-17 perdeu o rumo e bateu numa montanha. A partir daí, Woodward desenvolve a história da bela Ethel (MIscha Barton), uma garota americana disputada por três jovens amigos da aeronáutica: Teddy (Stephen Amell), Jack (Gregory Smith) e Chuck (David Alpay). Mas Ethel prefere Teddy e acaba vivendo com ele um romance apaixonado. Até os japoneses atacarem Pearl Harbor, colocando os EUA na guerra e levando para longe da garota o seu amor e seus amigos.

    O filme desenvolve a trama em dois tempos distintos, mesclando a época atual com flash-backs da juventude dos protagonistas, até que tudo efetivamente se esclareça no final. Porém, a narrativa é levada de forma previsível e melodramática, com sabor e estilo de minissérie de TV, sem grandes atrativos cinematográficos.

    Desta vez, Richard Attenborough ficou devendo.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus