UM HOMEM BOM

UM HOMEM BOM

(Good)

2008 , 96 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia: 25/12/2008

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Vicente Amorim

    Equipe técnica

    Roteiro: John Wrathall

    Produção: Sarah Boote

    Fotografia: Andrew Dunn

    Trilha Sonora: Simon Lacey

    Elenco

    Anastasia Hille, Charlie Condou, Gemma Jones, Guy Henry, Jason Isaacs, Jodie Whittaker, Kelly Wenham, Laurence Richardson, Mark Strong, Ralph Riach, Rick Warden, Ruth Gemmell, Steven Elder, Steven Mackintosh, Viggo Mortensen

  • Crítica

    25/12/2008 00h00

    Um Homem Bom marca a segunda experiência de Vicente Amorim (O Caminho das Nuvens) como diretor de um longa-metragem e a primeira em produção estrangeira, mais precisamente inglesa.

    Com roteiro baseado em peça de CP Taylor, o filme acompanha os dramas de John Halder (Viggo Mortensen), um homem comum. Professor numa universidade, é convidado a contribuir com o governo nazista, em ascensão na Alemanha no fim dos anos 30, por conta de um livro que escreveu. Em tempos diferentes, o longa acompanha as decisões do personagem e como elas mudam os rumos não somente em sua própria vida, mas também nas que estão à sua volta.

    Halder é um personagem fraco, que parece ser guiado pelo que ocorre em sua volta a fim de ser o homem bom que intitula o filme. Com suas reações, também tem suas atitudes espelhadas nos que vivem ao seu redor. Ou seja, o longa desenvolve por meio de sua trama a forma como as pequenas atitudes podem ser refletidas em esferas maiores, até. Neste sentido, a atuação de Mortensen é essencial para abrilhantar o longa-metragem, que conta com uma direção clássica e certinha. Nada contra. Aliás, esta característica em Um Homem Bom é terreno perfeito para que as atenções do espectador se voltem completamente às atuações. Além do excelente trabalho de Mortensen, também merece destaque a atuação de Jason Issacs como Maurice, seu melhor amigo que, judeu, acaba sendo prejudicado pelo regime nazista por conta de sua religião.

    O tema do nazismo já foi - e segue sendo - exaustivamente explorado pelo cinema, mas, no caso de Um Homem Bom, serve somente de terreno para que o verdadeiro drama seja desenvolvido. Trata-se de uma trama atemporal por lidar com questões relacionadas ao próprio ser humano, ao seu comportamento e à forma como todos estamos interligados.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus