UM PLANO BRILHANTE

UM PLANO BRILHANTE

(Flawless (2007))

2007 , 100 MIN.

12 anos

Gênero: Suspense

Estréia: 11/04/2008

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Michael Radford

    Equipe técnica

    Roteiro: Edward Anderson

    Produção: Mark Williams, Michael A. Pierce

    Fotografia: Richard Greatrex

    Elenco

    Constantine Gregory, David Henry, Demi Moore, Jonathan Aris, Josef d'Bache-Kane, Joss Ackland, Kim Hermans, Michael Caine, Nathaniel Parker, Nicholas Jones, Simon Day

  • Crítica

    11/04/2008 00h00

    O ponto alto do currículo do diretor Michael Radford é o belíssimo O Carteiro e o Poeta, de 1994. E pelo jeito que as coisas andam, sempre será. Faz muito tempo que Radford não emplaca nenhum sucesso de qualidade e seu novo trabalho, Um Plano Brilhante, certamente não vai recuperar a carreira do cineasta.

    O filme é ambientado na charmosa Londres de 1960. É ali que Laura (Demi Moore), executiva de uma poderosa empresa de diamantes, trabalha com afinco, dedicação... E frustração: sempre que há uma promoção a vista, seu chefe opta por favorecer um funcionário do sexo masculino. No auge de sua decepção, Laura recebe a proposta indecente do zelador Hobbs (Michael Caine). Ele acredita ter o plano perfeito (ou, para usar o trocadilho do título, brilhante), para roubar um punhado de diamantes da empresa, garantir sua aposentadoria e fazer justiça à carreira da moça. Ferida em seus brios, Laura aceita a idéia.

    Roteirizado pelo estreante Edward Anderson, Um Plano Brilhante é um filme que nunca chega a decolar. Em suas primeiras cenas, ensaia uma crítica ao jornalismo fútil dos dias de hoje, depois parece querer apontar para uma denúncia social contra a exploração de diamantes na África, mas rapidamente abandona a proposta. E quando finalmente se fixa naquilo que será seu mote principal - o grande golpe -, não tem força suficiente para captar a atenção da platéia. Principalmente depois que Onze Homens e um Segredo parece ter esgotado os caminhos deste sub-gênero.

    Co-produzido entre Inglaterra e Luxemburgo, é um filme que parece ter sido dirigido preguiçosamente, sem capricho, com soluções fáceis e pouco cinematográficas. Como aventura, não empolga, e como drama também deixa a desejar, não explorando com qualidade as motivações de seus personagens.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus