UMA DOCE MENTIRA

UMA DOCE MENTIRA

(De vrais mensonges)

2010 , 104 MIN.

10 anos

Gênero: Comédia Romântica

Estréia: 09/09/2011

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Pierre Salvadori

    Equipe técnica

    Roteiro: Benoit Graffin, Pierre Salvadori

    Produção: Philippe Martin

    Fotografia: Gilles Henry

    Trilha Sonora: Philippe Eidel

    Distribuidora: Vinny Filmes

    Elenco

    Audrey Tautou, Judith Chemla, Nathalie Baye, Sami Bouajila, Stéphanie Lagarde

  • Crítica

    05/09/2011 07h00

    Numa pequena cidade do litoral francês, Émilie (Audrey Tatou, a eterna Amélie Poulain) administra seu salão de beleza, sua mãe deprimida (Nathalie Baye, ótima) e sua solidão. Jean (Sami Bouajila, de London River e Nova York Sitiada), um “faz-tudo” no salão, nutre uma paixão platônica por Émilie, para quem escreve secretamente belas e anônimas cartas de amor.

    Certo dia, Émilie tem o que acredita ser uma ótima idéia: enviar para sua mãe uma cópia de uma das cartas de amor que ela própria havia recebido. A intenção era melhorar a auto-estima da mãe, mas os resultados são desastrosos. A “doce mentira” do título dá inicio a uma série de confusões e mal entendidos.

    Porém, por mais charmosa que seja a cidade onde tudo acontece, por mais simpáticos e bem intencionados que possam parecer os personagens, e por mais que o diretor tunisiano Pierre Salvadori se esforce para deixar tudo da forma mais palatável possível, Uma Doce Mentira tem sérios problemas de roteiro. O filme não decola como comédia, tampouco encanta como romance. Gira em falso sobre a mesma e interminável piada e traz momentos que comprometem – e muito – sua verossimilhança.

    Por exemplo, quem em sã consciência se preocuparia em entregar uma carta pessoalmente só porque o envelope estava sem selo? Detalhe? Pode ser, mas é (ou deveria ser) um dos pontos-chaves de um roteiro que vai se revelando repleto de rombos quanto mais a trama avança. O que acaba causando um crescente desinteresse no espectador.

    Mas, para não dizer que eu não falei de flores, a cena onde quase toda a verdade é revelada, explorando silhuetas projetadas numa cortina que acaba funcionando como um simbolismo de uma tela de cinema,é plasticamente muito bela. Mas insuficiente para fazer de Uma Doce Mentira um filme recomendável.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus