UMA ONDA NO AR

UMA ONDA NO AR

(Uma Onda no Ar)

2002 , 92 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Helvecio Ratton

    Equipe técnica

    Roteiro: Helvecio Ratton, Jorge Durán

    Produção: Simone Magalhães Matos

    Fotografia: José Tadeu Ribeiro

    Trilha Sonora: Gil Amancio

    Estúdio: Quimera Filmes

    Elenco

    Adolfo Moura, Alexandre Moreno, Babu Santana, Benjamim Abras, Edyr Duqui, Priscila Dias

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Existem filmes em que a história a ser contada é muito melhor do que a forma como ela é narrada. Caso típico é Uma Onda no Ar, trabalho sério, digno e bem-intencionado do diretor Helvécio Ratton (o mesmo de Amor & Cia.), mas que esbarra numa ingenuidade que acaba comprometendo o resultado final.

    Romanceando sobre fatos reais, Uma Onda no Ar conta a história da Rádio Favela, uma pequena emissora alternativa que surgiu ilegalmente nos anos 80, no Aglomerado da Serra, uma grande favela de Belo Horizonte. Com uma programação corajosa e uma linguagem espontânea, a Rádio Favela conquistou um grande número de ouvintes e repercutiu muito além do alcance de suas ondas. Ela se autodenominava “a verdadeira voz do Brasil.”

    O roteiro centraliza a ação na luta dos quatro amigos criadores da emissora: Jorge (Alexandre Moreno, premiado como Melhor Ator em Gramado) é o idealizador do projeto, ao lado dos amigos Zequiel (Adolfo Moura), Brau (Benjamin Abras) e Roque (Babu Santana). A namorada Fatinha (Priscila Dias) e a mãe Dona Neusa (Edyr Duqui) são as maiores companheiras e apoiadoras de Jorge. Porém, como não poderia deixar de ser, o sucesso da rádio passa a chamar a atenção da polícia e das autoridades, que fazem de tudo para calá-la.

    Por detrás desta trama podem ser lidos vários subtextos, como os resquícios da ditadura que ainda assombravam o Brasil nos anos 80, a discussão pela democratização ou não das ondas de rádio e televisão, e até da situação de extremo desequilíbrio social vivida pelas favelas do País. Tudo, porém, fica diluído nas interpretações pouco convincentes da maior parte do elenco e num estilo de direção que privilegia a ingenuidade discursiva do roteiro.

    Filmado em apenas cinco semanas na própria favela que abriga a verdadeira rádio, o filme foi orçado em R$ 1,7 milhão e conta com a participação de atores desconhecidos do grande público, para tentar garantir o tom de veracidade da história. O roteiro, assinado por Helvécio Ratton e por Jorge Durán (autor dos roteiros de O Beijo da Mulher Aranha e Pixote), é baseado em mais de 100 entrevistas que o dramaturgo Ed Ribeiro realizou com os integrantes da Rádio Favela.

    Uma Onda no Ar é um filme repleto de boas intenções.

    6 de setembro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus