Uma Relação Delicada

UMA RELAÇÃO DELICADA

(Abus de faiblesse)

2013 , 105 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia: 22/05/2014

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Catherine Breillat

    Equipe técnica

    Roteiro: Catherine Breillat

    Produção: Jean-Francois Lepetit

    Estúdio: Flach Film, Iris Films, Iris Productions Deutschland

    Distribuidora: Tucumán Filmes

    Elenco

    Abdelhouafi Elouassaki, Andrée Cambier, Axelle Beerens, Christophe Sermet, Daphné Baiwir, Dimitri Tomsej, François Stockmans, Fred Lebelge, Isabelle Huppert, Ismaël Villar Bonilla, Jean-Francois Lepetit, Jean-Pierre Denuit, Kool Shen, Laurence Ursino, Marc De Bodin De Galembert, Nathalie Transon, Nicolas Steil, Patrick Van Ackere, Ronald Leclercq, Tristan Schotte, Valérie Azura, Valérie Chavet

  • Crítica

    19/05/2014 14h34

    A diretora Catherine Breillat (A Última Amante) se inspirou num acontecimento infeliz de sua vida para levar às telas este drama. Acabou provando em Uma Relação Delicada que nem toda tragédia pessoal merece uma reconstituição cinematográfica.

    O filme conta a história de Maud (Isabelle Huppert), cineasta vítima de AVC que passa a se dedicar com afinco a seu novo filme enquanto convive com os entraves físicos que o problema de saúde lhe impôs. Ela conhece Vilko (Kool Shen), vigarista que passou 12 anos na cadeia, por meio de um programa de TV. Decide, então, que ele será o ator principal de seu longa.

    Vilko - que pelo jeito não se emendou com o tempo de tranca - é seduzido pela riqueza da cineasta ao mesmo tempo em que a seduz com sua personalidade forte. Com o estreitamento da amizade, ele começa a pedir dinheiro emprestado a Maud prometendo devolver tudo de volta em breve.

    Uma Relação Delicada, no entanto, não consegue tornar crível esse laço de confiança, tampouco a razão de Maud emprestar tanto dinheiro a Vilko mesmo sabendo de seu passado pregresso. Segue-se então uma sucessão de acontecimentos aleatórios que não vão conseguir justificar, mais à diante, a tensão dramática da conclusão da trama.

    Como o filme concentra-se basicamente na relação entre Maud e Vilko , acaba tornando-se repetitivo e cansativo com o passar do tempo. Resta ao espectador seguir adiante se perguntando quanto tempo vai demorar para Maud finalmente acordar e enxergar a realidade da situação improvável na qual se meteu.

    No fim das contas, o atrativo do longa é ver a performance de Isabelle Huppert, que corporifica bem as exigências físicas do papel e esforça-se em expor a vulnerabilidade necessária para tornar minimamente verossímil ser influenciada por um tipo como Vilko. O roteiro cheio de hiatos narrativos de Catherine Breillat, no entanto, atravanca a diligência da atriz.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus