UMA VIDA EM SEGREDO

UMA VIDA EM SEGREDO

(Uma Vida Em Segredo)

2002 , 95 MIN.

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Suzana Amaral

    Equipe técnica

    Roteiro: Suzana Amaral

    Produção: Assunção Hernandes

    Fotografia: Lauro Escorel

    Trilha Sonora: Luiz Henrique Xavier

    Estúdio: Raiz Produções

    Elenco

    Cacá Amaral, Eliane Giardini, Eric Novinsky, Neusa Borges, Sabrina Greve

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Como tudo na vida, cinema também é prática, treino, continuidade. Ficar 17 anos sem dirigir um único longa-metragem de cinema definitivamente não faz bem à carreira de ninguém. É o caso da roteirista e diretora Suzana Amaral que, em 1985, conquistou público, crítica e até importantes prêmios internacionais com o brilhante A Hora da Estrela, e agora decepciona com Uma Vida em Segredo. Nestas quase duas décadas de hiato cinematográfico, Suzana dirigiu e roteirizou filmes para TV, comerciais e documentários. Mas este seu segundo longa para cinema ficou devendo.

    Minimalista, a história mostra Biela (Sabrina Greve), uma jovem matuta que, depois de passar a vida toda morando isolada numa fazenda, passa a viver com os primos na cidade. Mesmo a cidade sendo pequena e seus habitantes conservadores, o choque cultural é inevitável. Biela mal sabe se vestir e nada conhece das coisas do amor e da vida. Sente-se muito mais à vontade na cozinha, com os criados, que na sala, com os próprios familiares. Definitivamente, seu pequeno mundo está dividido.

    Apesar da marcante interpretação de Sabrina Greve (atriz de teatro aqui estreando com o pé direito no cinema), o filme tem um incômodo estilo teatral que não condiz com a tela grande. Seu problema não é exatamente o ritmo lento - coerente com o local e a época da história -, mas sim os momentos esticados desnecessariamente, as marcações de cena típicas de palco e o elenco heterogêneo (à exceção de Sabrina e Eliane Giardini, os demais atores parecem pouco a vontade em seus papéis). A trama, bastante linear, também não chega a entusiasmar, desembocando num final tristemente melancólico e anticlimático. Talvez o texto de Autran Dourado pudesse render um bom curta-metragem, mas, como longa, Uma Vida em Segredo deixa a desejar.

    16 de julho de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus