VIVER MATA

VIVER MATA

(Vivir Mata)

2002 , 92 MIN.

anos

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Nicolás Echevarría

    Equipe técnica

    Roteiro: Juan Villoro

    Produção: Matthias Ehrenberg

    Fotografia: Pablo Reyes

    Trilha Sonora: Ruy García

    Elenco

    Daniel Giménez Cacho, Diana Bracho, Emilio Echevarría, Luis Felipe Tovar, Susana Zabaleta

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Uma produtora de rádio se faz passar por jornalista para entrevistar um famoso escritor. E um artista plástico se faz passar por um famoso escritor justamente para poder ser entrevistado pela suposta jornalista. É assim, cheia de erros, que começa a noite de amor entre a produtora/jornalista Silvia (Suzana Zabaleta) e o artista/escritor Diego (Daniel Gimenez Cacho). Durante todo o dia seguinte, Silvia relatará seu romance relâmpago para sua colega de rádio, enquanto – preso num monumental congestionamento de trânsito – Diego fará o mesmo para seus amigos. É em meio a este turbilhão de mentiras que os personagens principais desfilam – e destilam – as mais improváveis e divertidas filosofias sobre amores, desencontros, fidelidade e traição.

    Do lado de dentro de cada um reina a mais profunda confusão de idéias e pensamentos. Do lado de fora, a cidade do México é um verdadeiro caos de ambulantes, tráfego congestionado e helicópteros de emissoras de rádio. De alguma maneira, cada um busca o seu caminho, sem nunca deixar de lado a esperança do encontro e da paixão.

    Viver Mata é latinamente simpático, otimista e bem-humorado. Um filme agradavelmente despretensioso.

    4 de dezembro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus